segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Judiarias de Portugal - Sintra



Comunidade Judaica de Sintra



Antigo Mercado de Sintra



A primeira referência à judiaria de Sintra remonta ao século XII. Aqui se recolhiam os seguidores da Lei de Moisés, num beco que fechava as portas pelas Avé-Marias, ou Vésperas, impedindo os seus moradores de sair, salvo motivo especial. Esta Judiaria sintrense, a exemplo do que sucedia por todo o reino, tinha a sua própria gestão e funcionários, como, por exemplo, o tabelião, porteiro e rabi. A sinagoga, ponto central desta pequena comunidade, situava-se no terceiro prédio depois de transpormos os portais da judiaria, já que de acordo com uma carta de aforamento de dois prédios urbanos datada de 1407, afirma-se que eles ficavam entre a sinagoga e a porta da Judiaria. Esta comuna teve um relativo crescimento devido à necessidade de ferrar o cavalo, e ao aumento da produção económica da localidade. A judiaria situa-se na actual Rua das Padarias, (Rua Nova).




A partir do ano de 1480, têm um rabino de nome Salomão ben Crespo. Nos finais do séc. XV, esta comunidade tinha um rendimento aproximado de 600 reais, o que é relativamente modesto em relação a judiarias como Lisboa, Santarém, Évora, Coimbra ou Porto.



A Judiaria está localizada neste desenho de Duarte de Armas,
1509, no canto inferior esquerdo.



Com o rei D. Afonso V, terá havido queixas por parte dos cristãos, devido à tentativa de expansão do comércio dos judeus para sectores mais alargados da urbe sintrense, o que levou o soberano de imediato a ordenar, para que todo o judeu só pudesse utilizar a porta da judiaria como local de comércio.




*Entrada para a antiga judiaria e Beco da judiaria.




Nos finais do século XV, princípios do séc. XVI, cristãos-velhos denunciam às autoridades da época, que crianças cristãs-novas brincavam junto à igreja de S.Pedro de Canaferrim, num claro “desrespeito por solo sagrado”. Desde o ano de 1493 a igreja já se encontrava abandonada.


É curioso saber que ainda no início do século XX, viviam ou trabalhavam nesta precisa área, taberneiros, alfaiates e sapateiros, havendo nomes como Gabriel David Cardoso, nome tipicamente cristão-novo, a viver e a fazer a sua vida naquele local.


Levantamento das principais famílias judaicas de Sintra, durante os finais do séc. XIV e XV:


1390 – Lecim-Ledi, profissão desconhecida; 1382 – Jacob Navarro, arredentário das sizas gerais e dos vinhos de Sintra, Cascais e da povoação de Cheleiros: 1405 – Mousem, ferreiro; 1441 – Samuel Weemias, sapateiro; 1441 – Juda Almate, desconhecida; 1441 – Salomão Falaz, tecelão; 1442 – Jach Alufe, sapateiro; 1442 – Judas Guedelha, alfaiate; 1442 – Jacob de Baiona, ferreiro; 1449 – Yoce Fadalley,desconhecida; 1456 – Judas Guedelha, sapateiro; 1457 – Anto Cohen, alfaiate; 1457 – Abraão Ruivo, ferreiro; 1463 – Salomão Palaçano, desconhecida; 1468 – Isaac Alcaide, desconhecida; 1469 – Salomão Palaegno, filho de Palaçano,mercador; 1471 – José, ferrador; 1480 – Moisés Sassor, neto de Palaçano, desconhecida; 1490 – Salomão ben Crespe, rabino; 1496 – Moisés de Saragoça, cirurgião.




Ilustração da segunda metade do século XIX



E é em 1503 que aparece a última referência documentada da sinagoga de Sintra (esnoga).


Judiaria de Sintra 
Aguarela de John Constable





Fontes:

Biblioteca Municipal e Obra em seis volumes, ano de 1997/8, dedicada a Alfredo da Costa Azevedo. CMS.
Fotos* e Vídeo de Rafael e Carlos Baptista
http://www.cm-sintra.pt/ItinerariosPontoInteresse.aspx?IDItinerario=4&ID=8
http://photoconversa.blogspot.pt/2010_12_01_archive.html
http://www.aminhasintra.net/sintraclopedia/duarte-de-armas
http://www.serradesintra.net/fotos-de-sintra
http://caminhandoporsintra.blogspot.pt/2013/07/igreja-de-sao-pedro-de-canaferrim.html
http://riodasmacas.blogspot.pt/2010/11/o-antigo-mercado-de-cintra.html
http://desenhoaguarela.blogspot.pt/2012_02_01_archive.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário