domingo, 6 de outubro de 2013

Moshe Rynecki


Retrato de uma vida na arte




Moshe Rynecki nasceu em 1881 numa pequena cidade do leste de Varsóvia, perto da cidade de Siedlce. Seu pai, Abraão, foi um alfaiate que se especializou na confecção de uniformes. Pouco se sabe sobre sua mãe, Zipora. A vida era difícil para os Ryneckis. Eles não tinham água corrente e não havia condições insalubres com uma vala de esgoto que corre ao longo da estrada. Quanto às suas crenças e práticas religiosas, os Ryneckis foram hassídicos. As únicas certezas que temos foram-nos relatadas pelo seu filho, George, que escreveu um livro de memórias sobre os seus avós e pais.



 Moshe Rynecki (1881-1943)


Self-portrait


Rynecki começou a desenhar em uma idade precoce. De acordo com a tradição da família, ele costumava usar giz, e às vezes quando tinha alguns, desenhava figuras no chão e nas paredes de sua casa. De acordo com o livro de memórias escrito por seu filho, George, "Uma vez que ele chegou a ser espancado por violar o mandamento:" Tu não deverás criar imagens. Um dia ele falou com o seu filho e contou-lhe a sua resposta e ele disse-lhe: "Deus deu-me este talento e eu não acredito em quebrar essa tendência natural. Eu tenho simplesmente que fazê-lo. Se D’us não quisesse que eu pintasse, eu não teria este enorme desejo; o desejo de imortalizar em papel ou tela o que eu vejo. Eu sou simplesmente um escritor de sorte, que em vez de palavras, deixo as minhas mensagens em imagens. Eu não sinto a transgressão a que a Bíblia se refere sobre as imagens."



A família Rynecki nunca foi dada a fotos e nem retratada nas suas obras, mas foi dito, "... não é um quarto, que geralmente mostra um ofício...".


Rynecki teria preferido ir directo para uma escola de arte, mas primeiro teve que completar sua educação judaica numa yeshiva. E assim o fez, e depois foi para uma escola russa mediana, que era um pré-requisito para a aceitação na Academia de Arte de Varsóvia. De acordo com um livro publicado em 1965 sobre a História da Academia de Arte de Varsóvia ", Moszek Rynecki" frequentou a Academia durante o ano de 1906/1907.  



 Os jogadores de xadrez 


Após completar sua educação formal, Rynecki passou a pintar o que ele sabia melhor na comunidade onde morava. Ele fez vários tipos de pinturas, como por exemplo “Os jogadores de xadrez” para além de muitas outras actividades quotidianas que ele ia captando;  Simchat Torah, Interior da sinagoga, e pessoas no seu estudo, mas nas suas obras ele também pintava lugares, eventos, e as questões centrais para a comunidade judaica. Enquanto alguns de seus trabalhos foram apresentados em galerias locais e foram recebidos com boas críticas, seu filho George afirma: "Ele não foi bem-sucedido na venda de nenhuma das suas obras."



Pintura da esquerda: Talmudistas
Pintura da direita: O Parque



Pintura da esquerda: Simchat Torah
Pintura da direita: Interior da Sinagoga


No início da Segunda Guerra Mundial Rynecki foi forçado a entrar no gueto de Varsóvia. Apesar de ter pouco acesso a materiais de arte no gueto, ele  continuo a pintar. Apenas três pinturas deste período de sua vida são conhecidos por terem sobrevivido ao Holocausto: No abrigo; O trabalho forçado e Refugiados.



Refugiados
O Yad Vashem tem na sua coleção permanente esta peça retratando refugiados 
dentro do gueto de Varsóvia.


No início de 1943 Moshe foi deportado para Majdanek e lá morreu, no campo de concentração.


A coleção de Magnes de Arte e Vida Judaica em Berkeley, Califórnia, tem na sua coleção permanente este trabalho descreve uma cena de casamento.



The Gift of Bread, 1919



Esta peça, "Pogrom Russo - Ataque dos cossacos", é certamente o quadro descrito no livro de memórias de George Rynecki:


“Meu pai estava sempre a pintar. Quando o polaco chegou ao poder, ele fez uma pintura, óleo sobre tela, que se tornou muito controversa em Varsóvia. Ele recriou o pogrom russo, um ataque dos cossacos numa sinagoga em que o estupro de mulheres foi mostrado e homens mortos envoltos em rolos de Torah, e que era um forte quadro político contra os russos. Claro que a história dos pogroms russos era bem conhecida, mas nunca tinha sido mostrada numa pintura de dimensões tão dramáticas”.



Em Junho de 1951, 46 telas foram exibidas no
Jewish Community Center, Dallas, Texas.





Fonte:


Nenhum comentário:

Postar um comentário