sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Cartas de Lisboa | Chayei Sarah



Chayei Sarah

O falecimento de Sara e os eventos que o rodeiam ocupam lugar central na parte inicial da Parshat desta semana.

Xilogravura por Gustave Doré retratando o enterro de Sarah na caverna


O Rabino Avraham Saba, no seu comentário Tzror Hamor, refere o Midrash segundo o qual a morte de Sara se deveria ao choque que teve ao ouvir as notícias sobre a "Akeidah" de Isaque.

Tomando este difícil episódio como ponto de partida, ele inicia um extenso tratado sobre "Tov v'Ra", o bem e o mal, e como estes se nos afiguram. Sem comentar sobre como Sara se terá sentido, ele lembra-nos da complexidade envolvida em julgar apenas pelas aparências.

Ainda que possamos desfrutar o sucesso dos nossos feitos, a nossa satisfação tem de ser mitigada pela realidade de que nós apenas conseguimos enxergar uma visão parcial das coisas. O mesmo é certo para os desafios com que nos deparamos. Não sabemos na verdade como os acontecimentos se vão desenrolar.





Mesmo quando passamos dificuldades e desafios a nossa fé diz-nos que há mais do que se vê à primeira vista. O Rabino Saba acrescenta: “Eu próprio vi isto na minha própria vida.”



Imagem: Segunda edição do livro Tzor Hamor em Veneza 1545






Para fazer sentido da vida, diz o Rabino Saba, precisamos de adicionar a este cenário o elemento que lhe falta – a Torá, a qual é comparada ao sal. Quando adicionado a qualquer comida, o sal extrai o seu sabor e amplia a nossa capacidade sensorial. Ao avaliar as nossas experiências a Torá faz isso mesmo.

Quando as coisas parecem confusas e pouco claras, a perspectiva que a Torá nos traz é o que nos permite descodificar as complexidades do que em última análise é bom ou mal.

Estas directivas incluem “mastigar bem” para poder descobrir o que de bom existe em toda e qualquer situação.




De facto, em Pirkei Avot (6:4) é-nos dito para “comer o nosso pão com sal”. 




O Rabino Saba sofreu imensamente em Portugal durante o período da Expulsão, mas a sua inquebrável dedicação à Torá mesmo na presença de todas estas dificuldades é representada pelo seu comentário no Tzror Hamor, o seu legado perpetuará em todos nós.



Cortesia de:
Rabino Eli Rosenfeld


chabadportugal.com
Shabat Shalom!


Fontes das imagens:

Nenhum comentário:

Postar um comentário