domingo, 13 de outubro de 2013

A Túmulo de José - O Rei dos Sonhos







Jacó ou Jacob (em hebraico: יעקב, transl. Yaʿaqov, também conhecido como Israel (em hebraico: יִשְׂרָאֵל, transl. Yisraʾel, foi o terceiro patriarca da bíblia.





Os visitantes podem entrar túmulo de José no coração da cidade de Nablus, a partir de meia-noite até o amanhecer, enquanto os residentes palestinos estão dormindo. Uma grande variedade de pessoas, haredim, os sionistas religiosos, leigos, jovens e crianças vêm aqui com uma escolta militar para desabafar seu coração ou para celebrar um acontecimento feliz. 




Após os acontecimentos de Outubro de 2000 (o lançamento da Segunda Intifada), o exército israelita proibiu o acesso de Israel ao sepulcro. No entanto, os Hasidim Breslov e outros fiéis visitaram o túmulo em segredo completo, sob a cobertura da escuridão, esquivando-se postos de controlo do exército e da polícia.

Como resultado da Operação Escudo Defensivo, o túmulo foi recuperado pelo exército israelita e, logo depois, em resposta aos inúmeros pedidos eram programadas visitas monitoradas à renovada sepultura. Um dia de cada mês, à meia-noite, até 800 visitantes foram autorizados a rezar no túmulo. Estas visitas tinham a intenção de evitar visitas clandestinas não autorizadas sem proteção, principalmente pelo hassidismo Breslov. No entanto, mais tarde, e por razões de segurança, eles impuseram uma proibição de peregrinos judeus que não tivessem a autorização especial para visitar o túmulo.




Em fevereiro de 2003, o Jerusalem Post informou que o túmulo tinha sido atacado com martelos e uma árvore havia sido abatida em frente à sua entrada, e os detritos que encheram o túmulo, foram retirados e tranportados por vários carros. O líder do Breslov dos ministros haredim foram notificados e pressionados desta profanação, mas o Exército israelita disse que não tinha planos para proteger ou monitorar o local, alegando que tal ação seria demasiado dispendiosa.

Em maio de 2007, o Breslov visitou o local pela primeira vez depois de dois anos de visitas frustradas. Desde então, alguns grupos de peregrinos são autorizados a entrar com uma escolta armada. No final de 2007, um grupo de Hasidim descobriu que o túmulo tinha sido limpo pelos palestinos. Nos últimos anos, o local sofreu mais violência e sua aparência se deteriorou, com a presença de lixo e marcas de pneus queimados na mesma.




Em fevereiro de 2008, foi relatado que Israel pediu oficialmente à Autoridade Palestiniana para realizar reparos no túmulo. Em fevereiro de 2008, queimaram novamente pneus vandalizando o túmulo. Em resposta, o líder palestino Mahmoud Abbas disse que a tumba era um lugar sagrado para os muçulmanos, e ignorou os preparativos para a cooperação conjunta entre palestinos e israelitas sobre a restauração do túmulo. Em dezembro de 2008, os trabalhadores judeus financiados por doadores anónimos pintaram as paredes enegrecidas e reconstruiram o marco de pedra que cobre o túmulo destruído.




Desde 2009, as visitas mensais ao túmulo são feitas veículos blindados da IDF e são organizados pela organização Siquém Ehad, com sede em Yitzhar. No final de abril de 2009, um grupo de fiéis judeus encontraram as lápides partidas e as paredes pintadas com suásticas causando assim graves danos.





Fontes:


Nenhum comentário:

Postar um comentário