quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Mensagem da Parasha Noach - Chuva Leve




Esta semana, escolhi a mensagem “Chuva Leve” de Rashi.
Ele ensina-nos com um exemplo muito atual, a explicar aos nossos filhos como evitar os dilúvios na nossa vida, de uma forma muito simples. ZD




Exemplo de Rashi:

O quarto do meu filho está uma bagunça. A cama, por fazer, evidentemente – parece o final de uma feira de objetos usados. A manga de uma camisa limpa se enroscou inexplicavelmente na perna de um pijama usado. Meias – uma azul, uma preta e uma que provavelmente foi branca – estão saindo da manga de uma camiseta. Roupa de baixo semi-oculta sob um cobertor, que por sua vez se esforça para não cair no chão.
E o chão! Poderia bem servir como campo de treinamento para missões arriscadas dos fuzileiros. Carrinhos Matchbox enfeitam a paisagem, pequenas minas para pés ainda menores. Peças de meia-dúzia de jogos de tabuleiro atiradas no chão, como uma trilha de migalhas de pão que leva o viajante perdido em círculos. Os tabuleiros em si estão pendurados em prateleiras, tampos de escrivaninha, cabeceira da cama – qualquer lugar onde um pedaço de papelão possa ser socado. E bolas, claro, bolas de todos os tamanhos rolando para lá e para cá, onde quer que se ande. Mexa num cabide e uma bola de futebol ataca, saindo detrás de um terno. Ajeite os livros e uma bola de tênis pula de um sapato e bate num joelho. Dê um puxão numa gaveta e a bola de baseball que a estava emperrando pula para fora.


Sentado a um canto está a fonte da bagunça, alheio à própria desordem e desobediência. Mergulhado num vídeo-game, não vê o pai entrar. O pai, no entanto, vê a confusão, e vê uma criança irresponsável. Roupas caras, brinquedos dispendiosos, preciosos livros e objetos de família – tudo desprezado. As regras da casa – desrespeitadas.
Se a criança não dá valor àquilo que tem, se a criança pretende estragar todos os presentes, ignorar todas as regras, então as roupas, os brinquedos, os livros, tudo deve ser levado dali. Pois, em vez de ajudar a criança a ser produtiva, são uma distração e um prejuízo. O pai então arruma uma grande lata de lixo. Começa a apanhar os objetos do chão, um a um, e vai jogando – com bastante ruído – na lata de lixo; uma a uma, ele remove os pertences do filho de cima da escrivaninha, das prateleiras, da cama. Faz uma pausa para ver se o menino reage.


Cena 1:
O filho continua a jogar seu vídeo-game, ignorando o pai, testando o pai, desafiando-o. A princípio o pai põe os objetos na lata de lixo um a um. Depois pega um punhado. A criança ainda não reage. O pai coloca uma braçada de coisas no lixo. A criança observa pelo canto do olho, mas não se mexe. Não levanta um dedo do vídeo-game. Finalmente o pai varre tudo para a lata de lixo. Esvazia as gavetas e prateleiras. Tira os lençóis da cama. Por fim o pai agarra o vídeo-game, atira-o na lata de lixo e sai. O quarto está vazio. O quarto está limpo.


"O dilúvio se abateu por quarenta dias sobre a terra"
(Bereshit 7:17).



Cena 2:
Quando o pai coloca o primeiro carrinho Matchbox na lata de lixo, o menino levanta o olhar. Quando o pai joga o primeiro cartão de basebol no lixo, o menino desliga o vídeo-game. Assim que o pai apanha o primeiro tabuleiro de jogo, o menino se levanta e tira-o da sua mão. Enquanto o pai assiste, o menino dobra as roupas, faz a cama. O menino arruma as prateleiras, põe os jogos em ordem, organiza os brinquedos. Finalmente, apanha os carrinhos Matchbox e o cartão de basebol, jogando-os fora. Finalmente, com um sorriso e uma lágrima, joga o vídeo-game na lata de lixo. O pai e o filho se abraçam. O quarto está limpo. Mas o quarto não está vazio.
"A chuva sobre a terra durou quarenta dias e quarenta noites"
(Bereshit 7:12).


"Ele as enviou com misericórdia, portanto, se o povo se arrependesse, seriam chuvas de bênção; porém quando o povo não se arrependeu as águas se transformaram num dilúvio." Rashi.


Fontes:
http://ouvidoriarj.wordpress.com/2011/08/15/ex-aluno-do-curso-de-fotografia-do-crj-manguinhos-fica-em-1%C2%BA-lugar-no-concurso


Nenhum comentário:

Postar um comentário