terça-feira, 9 de outubro de 2012

GÉNESIS - BERESHIT




No princípio criou D’us os céus e a terra

Gén. 1:1




    O primeiro livro do Pentateuco chama-se Génesis, isto é, “origem”, em hebraico Bereshit, que significa “no princípio”. As primeiras palavras do Génesis, que tratam de Cosmogonia, são plenas de solene majestade – No princípio criou D’us os céus e a terra (Gén. 1:1).

No princípio” – Bereshit: o Talmude proclama que o Universo não teria sido criado se não fosse pelo mundo espiritual, pela palavra Divina, pela Torá, chamada Reshit, princípio de tudo (Pessachim 68); “criou D’us” – Elohim (D’us) tem em hebraico a forma plural, para indicar que D’us compreende e unifica todas as forças infinitas e eternas. E para que não se pense que são muitos deuses, o verbo Bará (criou) foi empregue no singular, imediatamente depois de Elohim; “os céus e a terra” – a Torá quer mostrar-nos a Criação do Universo como o princípio de tudo, e não a Criação em si, mas a Providência, isto é, D’us como Criador, Legislador e Condutor do Universo.


     


Os seis dias da Criação e Shabat
    A Hagadá de Sarajevo abre o ciclo bíblico com a descrição dos seis dias da Criação. Começando da direita para a esquerda, podemos observar o “espírito de D’us a mover-se sobre a face das águas” (Gén. 1:1-2); segue-se a separação da luz da escuridão, a separação das águas e o surgimento de terra seca com vegetação.

    
    






O segundo painel descreve a criação do Sol e da Lua; os pássaros e os peixes; a criação dos animais e do homem [Adam] (Gén. 1:3-31); a última iluminura retrata um homem descansando em ShabatE D’us abençoou o sétimo dia e santificou-o, porque nele cessou toda a Sua obra, que D’us criara para fazer (Gén. 2:3).







    Após os seis dias da Criação, ao sétimo dia, Hashem descansa, criando assim o universo espiritual de Shabat. Para nós, a observância do Shabat serve para demonstrarmos que não somos os donos deste mundo, mas somente os servidores de D’us para cumprir os Seus mandamentos.
     Devemos salientar que, segundo muitos comentaristas, os seis dias da Criação não se referem a dias de 24 horas, mas sim a etapas sucessivas de duração variável. Por outras palavras, o nível atual do nosso conhecimento anula o pretenso conflito entre o que nos ensina o Livro de Bereshit e o que nos afirma a Ciência.
O pó da terra


E o Eterno D’us formou o homem [Adam] do pó da terra, e soprou nas suas narinas o alento da vida…

Gén. 2:7


    Segundo o Midrash, o facto de D’us ter criado um homem só, formando-o do pó da terra, ensina que não deve existir orgulho, desigualdade de origem, linhagem ou casta entre os homens; ninguém pode chamar estrangeiro ao seu semelhante, pois pertence, como ele, à mesma terra (Ialcut 15). O Talmude enfatiza este aspeto – “A humanidade foi criada com Adão, um único ser humano, para nos ensinar que todo aquele que destrói uma única vida humana, é considerado aos olhos do Criador como se destruísse o mundo inteiro, e aquele que salva uma única vida humana, é como se salvasse o mundo inteiro”.



E o Eterno D’us disse: «Não é bom que o homem esteja só. Far-lhe-ei uma companheira frente a ele!»
Gén. 2:18



     Nesta primeira porção da Torá, é relatada a criação do mundo desde as suas origens. A Torá conta-nos sobre a criação dos seres vivos, peixes, aves e outros animais. Aprendemos que os animais foram criados da terra e portanto, esta é a sua essência. Também o homem provém da terra, mas com uma diferença, a sua companheira, a mulher, foi criada do corpo do homem – “E o Eterno D’us fez da costela, que tinha tomado do homem, uma mulher, e a trouxe para o homem.” (Gén. 2:22). Quando D’us criou o primeiro homem, chamou-o Adam, mas depois de lhe dar a sua companheira, Ele chamou-o Ish (esposo) e a ela Ishá (esposa). Podemos assim compreender a reflexão “O solteiro é considerado meio corpo” (Zôhar). A Parashá continua descrevendo a genealogia de Adão e Eva até Noé.
     A Torá conta-nos nesta primeira parte de Bereshit, o princípio do Mundo e da Humanidade (Capítulos 1-12); a segunda narra a vida dos patriarcas Abraão, Isaac e Jacob (Capítulos 12-36) e a terceira da história de José, até ao fim do livro. Um livro que trata, portanto, da criação do mundo, das origens do género humano e da iniciação do povo hebreu.
   
    O Génesis tem doze secções, lidas no Sêfer Torá (Rolo da Torá) nas casas de oração em doze sábados, a partir do primeiro sábado após a festa de Simchat Torá (A Festa da Alegria na Lei).




Este artigo foi-me oferecido pela minha querida amiga
Sónia Craveiro,
a quem agradeço mais uma vez por mais esta partilha.
 
“Génesis” - Quadro de D’Anastasio Michel
 Beijinhos
 Laila Tov Lekulam!
Fontes:
A Lei de MoisésTorá, Génesis, editora &livraria Sêfer;
Fig. 1: De Aetatibus Mundi, Francisco de Holanda (1517-1585); Fig. 2: Bereshit, Bíblia Hebraica, 1492, Jeshua Salomon ben Israel Soncino; Fig. 3 e 4: Génesis, Hagadá de Sarajevo, séc. XIV; Fig. 5: Elohim creating Adam, 1795, William Blake; Fig. 6: Satanás observando Adão a acariciar Eva, 1808, William Blake.


Nenhum comentário:

Postar um comentário