domingo, 23 de março de 2014

Narbonne: A Lost Medieval Jewish Kingdom



Reis judeus reinaram desde o século VIII até ao século XIV no sul da França.








Vista panorâmica de Narbonne


Por Nadine Epstein


     As pessoas ficam surpreendidas quando eu menciono que Narbonne, uma pequena cidade na região de Languedoc, sul da França, a norte dos Pirenéus e a poucos quilómetros do interior do Mediterrâneo, foi lar de um "reino judeu" governada por uma dinastia que se diz ser descendente do Rei David. E por que não? Não é sempre que se ouve falar de reinos judeus fora de Israel.

     Localizada numa planície que liga a Europa à Península Ibérica, Narbonne era uma cidade importante nos primeiros séculos da Era Comum, disputada e controlada por diversas vezes pelos romanos, visigodos e entre 719-759, pelos sarracenos, como cristãos que naquela Era, eram chamados de muçulmanos. 

     Os judeus viviam lá em relativa paz desde pelo menos do século V em diante, altura em que operam negócios comerciais e pagam um tributo anual para a sua protecção. Mas, quando Pepino o Breve, Rei carolíngio, empurrou os muçulmanos de volta para os Pirinéus, um novo e fascinante capítulo judaico começou a desenrolar-se.



Tropas muçulmanas deixando Narbonne
por Pépin le Bref, no ano 759.
By Emile Bayard, 1880


     Existem muitas fontes históricas primárias que mencionam os romanos, cristãos e judeus de Narbonne. Apesar de muitas contradições nestes relatos, todos concordam que Pepin deu aos judeus um terço da cidade e o direito de possuir propriedade hereditária, tornando-lhes possível construir fortunas em imóveis, manufactura e indústria. As razões para esta benevolência variam de texto para texto: Uma das fontes diz que os judeus ajudaram a derrotar os sarracenos, outra que um judeu salvou o rei quando ele caiu do cavalo, e ainda uma outra que os judeus tinham convencido os sarracenos a aceitar tributo sem prejudicar o mensageiro. Alguns historiadores simplesmente atribuem o movimento de Pepino a uma estratégia inteligente: Uma poderosa comunidade judaica poderia facilitar o comércio mundial e funcionar como um tampão político entre terras cristãs e não-cristãs do sul.



Pépin le Bref, por Louis Félix Amiel, 1837.


     Mas o motivo não se prendia apenas com esse facto; os reis francos queriam um judeu de sangue nobre para governar o seu reino judeu. (Mais uma vez, existem diferenças a respeito do porque é que a luta pela sucessão na comunidade judaica é uma das razões mencionadas.) Esse homem era o rabino Makhir, um estudioso babilónico que foi trazido para Narbonne para gerir uma escola de estudos talmúdicos. Conta a história que Makhir era um príncipe (em hebraico, nasi) de ascendência do Rei David e, como membro da família real judaica, era elegível a ocupar o cargo honorário de governante dos judeus exilados na Babilónia. Após a sua chegada a Narbonne, foram cedidos a Makhir grandes territórios fora da cidade que tinham sido reconquistados aos muçulmanos. 



Selo do nasi de Narbonne.


     Makhir dirigiu os assuntos da comunidade judaica e gerou uma dinastia. Ele e seus descendentes não eram Reis soberanos, mas sim, "Rei dos judeus", (rex Judaeorum -latim), diz Norman Golb, professor emérito de história e civilização judaica na Universidade de Chicago.

"Alguns estudiosos gozam desta figura. Mas as fontes históricas são absolutamente inequívocas sobre a presença em Narbonne de um rex Judaeorum. "

    Enquanto os Reis judeus não se pronunciaram sobre os cristãos, receberam tratamento preferencial. Não só podiam ter criados cristãos, diz Nina Caputo, professora de história na Universidade da Florida em Gainesville, como também gozavam de privilégios a que os cristãos não tinham direito, como por exemplo, o direito de portar armas. Os cristãos ficaram chocados e irritados com esse comportamento "escandaloso". 




Santo Agobardo expulsando os judeus de Lyon.


     "Você já ouviu falar de Agobard de Lyon?" -  Pergunta Nina Caputo -  "Ele foi um bispo que entrou num conflito com o rei Luís, o Piedoso [filho de Carlos Magno] no século IX. Louis tinha dado aos judeus uma incrível liberdade de vida e comércio, e Agobard escreve uma carta de reclamação dizendo que os judeus estão recebendo mais privilégios do que os cristãos e que o rei está ameaçando a cristandade. "



Rei Luís, O Piedoso.


      Narbonne neste momento era uma grande potência entre uma teia regional complexa de principados. "É bem acima dos Pirenéus, mesmo no limite da autoridade cristã”, diz Caputo.

     "Era um local de batalhas importantes. Era um local de comércio importante e de política local, "Narbonne era também um lugar de aprendizagem talmúdica. O Rabino Makhir e os seus descendentes eram famosos pela sua enorme capacidade de interpretar a lei talmúdica e pela sua influência espiritual realizada sobre os judeus em toda a região e não só. 



 Narbonne


    Benjamin de Tudela, o grande viajante judeu da Idade Média, que passou por Narbonne na sua viagem para o Oriente, no século XII, descreveu Narbonne como "dona da lei hebraica," com os judeus lá de e "a raça de David" que possuem, terão "grandes bens" sob a protecção dos príncipes do país.



Benjamin de Tudela.


    Eram tempos voláteis, e os judeus, como todos os outros, poderiam estar sujeitos à violência. Há um registo de um tal surto em 1236, e que foi este mesmo registo que me levou a fazer este artigo, e que conta o seguinte:

     No decorrer de uma luta com um pescador cristão, um judeu desferiu-lhe um golpe que o levou à morte. Os enfurecidos cristãos de Narbonne, França, começaram um tumulto e ataques à comunidade judaica. O governador de Narbonne, Don Aymeric, interveio rapidamente e despachou um grupo de soldados para proteger a comunidade judaica. A rebelião foi contida e todos os despojos que tinham sido roubados durante os conflitos foram devolvidos aos judeus. O 21 de Adar ficou registado como “Purim Narbonne”, um dia no qual a comunidade celebra anualmente este evento histórico.


No dia de hoje na história judaica, dia 21 de Adar do ano 5774, acontecia o Purim Narbonne.


Celebração do Purim de Narbonne, na sinagoga em Amestardão.


Eventualmente foi a prosperidade da comunidade judaica que o levou à sua morte. Viscondes de Narbonne beneficiaram de impostos judeus, assim como os Reis franceses, cheios de dívidas, começaram a ficar de olho nas propriedades judaicas, como uma forma de enriquecer os seus cofres. Em 1306, o rei Filipe, o Belo confiscou as mesmas dos judeus e expulsou-os, apesar dos esforços das autoridades locais para os proteger.

Algumas décadas mais tarde, a peste irrompeu em Narbonne, e uma enxurrada mudou o curso do rio Aude, impedindo os navios de atingir a cidade. Narbonne entrou em declínio e nunca se recuperou a sua proeminência. Embora os descendentes de Rabbi Makhir já não governassem nenhum reino, eles continuaram a casar-se com as famílias nobres da Europa, tanto judaicas como cristãs, espalhando assim, a pretensão de ascendência davídica. É difícil separar o fato da lenda, mas algumas genealogias fazem a ligação entre os Reis judeus de Narbonne com os grandes monarcas da Europa, como por exemplo; os fundadores dos Illuminati e até mesmo o Rei Artur.



Fontes:


Nenhum comentário:

Postar um comentário