quarta-feira, 26 de março de 2014

Libelo de Sangue



Libelo de sangue é declarado falso 
(1817)


Anti-semitismo: Gravura alemã do livro Crónica de Nuremberg, publicado em latim e em alemão em 1493, representando o dito martírio de um menino italiano chamado Simão de Trento, supostamente pelas mãos de judeus maliciosos.


A 24 de Adar, o Czar Alexandre I da Rússia declarou o Libelo de Sangue – a infame acusação de que judeus assassinavam crianças cristãs para usar seu sangue na confecção das matsot para Pêssach, pela qual milhares de judeus foram massacrados no decorrer dos séculos – como falso. Apesar disso, quase cem anos depois a acusação foi oficialmente levantada contra Mendel Beilis em Kiev.


Mendel Beilis


Por Eli Rubin

No dia seguinte a Tisha B’Av, no ano de 1911, Menachem Mendel Beilis foi subitamente preso e levado para a sede da polícia secreta do Czar, em Kiev, Okhrana. Depois de mais de dois anos de prisão, ele foi julgado por falsa acusação de assassinato ritual – libelo de sangue - num caso que atraiu a atenção internacional. O julgamento começou dois dias antes do Yom Kippur, no dia 25 de Setembro de 1913. Segue agora a história do julgamento, contada em 20 fotos.



A caverna em que foi encontrado o corpo mutilado de Andrei Yushchinsky, com treze anos de idade. Ele foi morto por membros de um gangue criminoso liderado por Vera Cheberiak, que suspeitava que Andrei a havia traído denunciando-a à polícia.


Vera Cheberiak, a criminosa, que foi responsável pelo assassinato de Yushchinsky, tornou-se a principal testemunha contra Beilis. Procuradores da República e investigadores colaboraram com ela no fabrico de falsos testemunhos e evidências.


Zhenya Cheberiak era o filho de Vera, e o companheiro de brincadeiras de Andrei Yushchinsky. Ele foi provavelmente a última pessoa a ver Andrei antes de este ser assassinado.

Zhenya ficou doente e alguns meses depois, quando tentou transmitir o que ele sabia aos investigadores, a mãe traiçoeiramente “cobriu-lhe a boca com beijos”. Depois da morte do seu filho, Vera estava apenas preocupada em falsificar o testemunho que Zhenya tinha dado.


Esta era a casa de Mendel Beilis, situada no recinto da fábrica de tijolos Zaitsev, e a uma curta distância da caverna. Como um dos poucos judeus com permissão para viver na área, os antissemitas locais determinaram que Beilis era o alvo mais fácil para a acusação do libelo de sangue.


Gregory Zamyslovsky, foi um membro da Duma imperial e um personagem chave na conspiração para colocar na prisão Mendel Beilis. Foi ele que falsamente acusou o tzaddikim Schneersohn, os líderes da corrente Chabad-Lubavitch do Chassidismo, de estar por trás de cada caso de assassinato deste suposto ritual judaico no império russo.


Nikolai Krasovsky, foi um detetive da polícia também apelidado de "Sherlock Holmes da Rússia." Depois de se recusar a calar sobre o assassinato de Beilis, Krasovsky, ainda determinou que Vera Cheberiak era realmente a responsável pelo assassinato. Krasovsky pagou caro pela sua honestidade: ele foi removido de seu posto e processado pelo governo.


Mendel Beilis, aqui nesta foto com o uniforme da prisão. Ele é escoltado do tribunal depois de receber a sua segunda acusação, que ele carrega num rolo. A primeira acusação foi abandonada depois dos legisladores concluírem que não havia nenhuma possibilidade de o condenar com uma base tão frágil. A segunda acusação, foi emitida quando eles determinaram que seria muito constrangedor largar o caso depois de um período tão longo de prisão e investigação.


Na foto acima podemos ver Ivan Sikorsky, um psiquiatra famoso e bem conceituado, que lecionou na Universidade de Kiev. A sua reputação azedou quando o seu antissemitismo o levou a abandonar os princípios científicos e desvia violentamente a sua análise sobre as feridas de Yushchinsky para apoiar a acusação de assassinato no caso do ritual judaico.


Faivel Shneerson, um negociante de feno e palha, que pode ou não pode ter estado relacionado com a famosa família Schneersohn de líderes chassídicos. A promotoria usou o seu nome e a sua familiaridade com Beilis para fortalecer a acusação ao movimento chassídico, apresentando Faivel como um tzaddik chassídico. Ao fazer isso eles tentaram disfarçar o seu enorme antissemitismo, alegando tencionavam apenas atingir uma orla da seita bárbara, em vez de toda a nação judaica.


Uma pilha de livros religiosos judeus entrara como prova pela defesa. Coube ao rabino Yaakov Mazeh de Moscovo refutar as falsas acusações dos "especialistas" que apoiaram o processo. Rabinos Mendel Chein, Avraham Chein e Levi Yitzchak Schneersohn estiveram do seu lado com a sua pesquisa, ajudando-o a localizar e familiarizar-se com uma ampla gama de fontes relevantes.


O ministro do Interior Nikolai Maklakov era parte da conspiração contra Beilis. Antes do julgamento, ele usou um fundo de dez milhões de Rublo do czar, dinheiro esse que serviu para subornar testemunhas. Durante o julgamento, ele ordenou à polícia secreta para monitorar ilegalmente as deliberações do júri, e recebeu relatórios periódicos dos seus agentes. Por ironia, o seu irmão (que não eram muito ligados), Vasily, foi um dos advogados liberais que defendeu Beilis no julgamento.



Nesta foto podemos ver os quatro membros da equipa de defesa. Da esquerda para a direita; Dmitry Grigorovich-Barsky, um dos advogados mais proeminentes em Kiev; Nikolay Karabchevsky, presidente do Conselho de Advogados de São Petersburgo; Oscar Gruzenberg, líder nominal da defesa, e o único judeu na equipa, Alexander Zarudny, um advogado liberal proeminente e político que serviu como ministro da Justiça no governo provisório de 1917.


Oskar Vipper, o procurador da República, que foi em grande parte eclipsado pelos seus confederados civis Gregory Zamyslovsky e Alexander Shmakov. Após o julgamento, ele, juntamente com o ministro da Justiça Ivan Shcheglovitov-foi aplaudido pelos principais antissemitas e conspiradores de São Petersburgo, que comemoravam como "homens russos incorruptíveis e independentes."


O tribunal em sessão: para a extrema-direita, Beilis está sentado no banco dos réus. Os juízes liderados por Fyodor Boldyrev, cuja marca do chefe era identificada pela barba bifurcada e os seus extremos e viés antissemitas estão sentados no estrado. De frente para o outro lado da sala são os advogados de defesa, para a direita, e os promotores e júri para a esquerda. Um perito está entre eles, dirigindo-se ao juiz.


Vasily Shulgin foi um antissemita declarado que serviu como editor do jornal de direita Kievlianin durante o julgamento. Após uma reunião com líderes judeus, os editores do jornal determinaram que, apesar dos seus preconceitos não podiam, de boa-fé apoiar o libelo de sangue. Em vez disso, eles se tornaram defensores vocais em nome do Beilis, e lamentaram toda esta “paródia” por parte da justiça russa.


Mendel Beilis esteve sob guarda durante o julgamento. Depois de estar dois anos sujeito a condições desumanas na prisão, o início do julgamento veio como um alívio para Beilis. Foi-lhe permitido vestir as suas próprias roupas, foi conduzido ao tribunal numa carruagem decente, e ainda lhe ofereceram uma boa refeição.


Justin Pranaitis foi um padre católico de Tashkent, e a única autoridade religiosa, que o governo encontrou para fazer a acusação do assassinato do ritual. Um plagiador completamente sem escrúpulos que alegou ser um especialista hebraista, mas que a defesa desmascarou e provou que este não passava de um ignorante fraudulento.


Yaakov Mazeh, o rabino do governo de Moscovo, era famoso por sua erudição e pela sua eloquente oratória. Nos últimos dias do julgamento, ele entregou uma defesa contundente dos valores morais judaicos e demonstrou que o movimento chassídico nunca tinha pervertido a tradição judaica ou seus preceitos.


O júri foi seleccionado para garantir que sua "natureza ignorante" combinado com "inimizade étnica" iria pender a balança mais para a injustiça. No decorrer do julgamento, no entanto, expressaram preocupação de que seria difícil decidir o destino de Beilis considerando que nenhuma prova foi apresentada contra ele. Em última análise, o seu veredicto era ambígua: Beilis foi absolvido, mas ainda assim continuou-se a insinuar que Yushchinsky tinha sido vítima de um assassinato ritual judaico. O libelo de Sangue!


A família Beilis, fotografada depois do julgamento. Já em liberdade, a família deu-se ao luxo de colocar seu infortúnio por trás das costas. Viver com a ameaça de retaliação antissemita não era uma opção, a família mudou-se primeiro para a Terra Santa e, posteriormente, para Nova Iorque. Mas, enquanto a comunidade judaica os acolheu e celebrou sua liberdade, Beilis foi incapaz de garantir um meio permanente de subsistência ou paz de espírito.

Apesar do veredicto misto, o julgamento de Beilis continua a ser um exemplo pungente de uma conspiração de poder e ódio frustrado pela unidade e a verdade.



Fontes:
1º Texto: O dia de hoje na história judaica – 24 Adar II 5774:
1ª Foto:
2 º Texto: A história do julgamento do libelo de sangue:
Para mais informações sobre os antecedentes do caso, leia Scapegoats do czar: Beilis, os chassidim e os judeus:
As 20 fotos que acompanham este artigo sobre o julgamento foram uma cortesia de Edmund Levin ao autor deste artigo, Eli Rubin.

Nenhum comentário:

Postar um comentário