terça-feira, 11 de março de 2014

Chiune Sugihara - "Quem salva Uma Vida, Salva o Mundo Inteiro"



Chiune Sugihara



Chiune Sugihara (em japonês: 杉原千畝, Sugihara Chiune; nasceu a 1 de janeiro de 1900 e faleceu no dia 31 de Julho de 1986) foi um diplomata japonês que durante a Segunda Guerra Mundial ajudou aos judeus radicados na Lituânia a saírem do país, então ocupado pelas tropas nazis, fornecendo-lhes milhares de vistos de trânsito para que pudessem viajar para o Japão.



Yukiko e Chiune Sugihara, no consulado em Kaunas, por volta de 1939-1940.
(Cortesia da Fundação dos vistos para a Vida - Sugihara Collection)




Muitos dos judeus eram da Polónia ou residentes da Lituânia. Sugihara concedeu vistos que facilitaram a fuga de mais de 6000 refugiados judeus, para o território japonês, arriscando a sua carreira e a vida da sua família.




Ele escreveu à mão 18 horas por dia. No dia em que seu consulado fechou e ele teve que sair à pressa, testemunhas afirmam que ele continuava a passar vistos enquanto fugia de comboio e mandava-os pela janela à medida que este se ia afastando. Ele salvou 6.000 vidas.




Refugiados judeus no portão, julho de 1940. Milhares de judeus alinharam em frente ao Consulado japonês em Kaunas, na Lituânia, na esperança de receber os vistos de trânsito, permitindo-lhes fugir para o Extremo Oriente e para a América ou a Palestina.



Monumento à Sugihara, localizado los Vilnius, a capital da Lituânia


Acabou por ser destituído das suas funções pelo governo, uma vez que seu país era parte do Eixo. Passou a ganhar a vida como tradutor. Recebeu de Israel o título de Justo entre as nações pelo seu trabalho que salvou a vida de vários judeus.



Chiune Sugihara Memorial, Herói fazer Holocausto na Pequena Toquio, EM Los Angeles
 Ramon G. Velazco, 2002.
Um Presente da Fundação Neman e Levy Affiliated Holdings, LLC.



Assista aqui aos 6 vídeos que nos contam toda a história:




O mundo não sabia do seu feito até que Israel decidiu honra-lo, em 1985, um ano antes de morrer.




Quero deixar aqui o meu agradecimento ao meu querido amigo 
Dan Okon
que me enviou esta história.


Muito obrigada Dan J



Fontes:

Nenhum comentário:

Postar um comentário