segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Samuel Kurinsky - O Vidro no Império Romano!



Vidreiros – Uma tradição Judaica!

Autor: Samuel Kurinsky

Cortesia da fotografia do Museu de Israel, em Jerusalém.


Copos do período do Império Romano foram identificados por dois imperadores romanos como sendo produzidos por fabricantes judeus de vidro. Os artesãos judeus produziam vidro para os mercados de cristãos e pagãos, bem como para seu próprio uso. A frase em latim "Pie Zesis" aparece em contextos judaicos e também era empregue em peças produzidos para os romanos.

É improvável que qualquer romano antigo trabalhasse o vidro, apesar do rótulo comum "Glass Roman" para o vidro encontrados por todo o Império Romano. Nem os romanos, nem os gregos estavam a par do segredo de transformar o quartzo (silicato cristalino) para um líquido super-resfriado (vidro).

Mas afinal, onde foi feito o vidro e nomeadamente os copos do Período Romano? E por quem foi feito?

Os judeus constituíam uma proporção considerável dos artesãos qualificados distribuídos por toda a Diáspora romana. É difícil distinguir a sua identidade devido ao facto de serem referidos como "orientais", ou, dependendo da sua origem, como "Palestinianos" ou "sírios." Estas referências abstusas levaram os historiadores a ignorar contribuições tecnológicas judaicas para a sociedade ocidental. As omissões são particularmente notórias em referência à indústria vidreira, pois tornou-se cada vez mais evidente que as artes vitrinas eram praticadas exclusivamente por judeus naquela época.

Este artigo é apenas um minúsculo resumo de um excelente estudo levado a cabo por este autor, mas que aqui só coloquei esta informação por ser muito extenso. Leiam o artigo original na integra, porque não se vão arrepender, e podem fazê-lo através do site da fonte deste artigo!


A caixa de ouro de banda numa imitação de ágata.
Foto cortesia do Corning Museum of Glass


A caixa com tampa estava entre os artefactos de vidro exóticos importados para a Itália romana do Próximo Oriente.


A diatreton ou "copo gaiola"
Cortesia da fotografia do Museu Cívico de Milão, Itália


Estes copos esculpidos estavam em alta no trabalho do vidro e eram caros devido ao trabalho delicado, difícil e demorado envolvido na sua produção. Os dietreton foram valorizados por serem símbolos de status dos membros da hierarquia romana. A palavra "diatreton" deriva do hebraico antigo para "corte" ou "escarificação".



A tigela murrhine
Foto cortesia do Corning Museum of Glass


Esse vidro valioso foi produzido no Levante antes da conquista romana. A palavra latina para "vidro: (vetro) apareceu pela primeira vez em 54 a.e.c. "Murrhine" era a palavra de um representante oriental, observou o historiador da Engish WA Thorpe.


Os recipientes de vidro, provavelmente do século I d. e. c., encontrados 
perto do Kibbutz Hagoshrim em Israel.
Foto do autor


O vaso diatreton incompleto à direita, e o vaso partido e deformado à esquerda assim como as massas de pó de vidro (vidro quebrado) encontrados juntos foram refundidos para fazer novo vidro. Material semelhante encontrado pelo autor em 21 locais diferentes de Israel, é a prova da evidente actividade nos primeiros séculos da vidraria antes e após o advento da Era Comum. 


Produção de vidro no nordeste da Itália,
no período romano.


O Mar Adriático dava o acesso à Europa central


Artesãos judeus reuniram-se na região. O material de vidro foi importado pela primeira vez e, em seguida, começaram a produzir em Aquileia, Adria, Altino, próximo Pola na península de Ístria, e depois em Pádua e Spina.


Filiberto, o padroeiro dos vidreiros de Altare (noroeste da Itália)
Fotografia do autor na igreja paroquial dos vidreiros de Altare


Os fabricantes de vidro eram mal vistos, como podemos observar no canto inferior esquerdo desta gravura antiga. (…)


Um fragmento do período romano de um recipiente de vidro encontrado nas ruínas de Aquileia retratando Avraham oferecendo o sacrifício de Isaac. A representação do Templo de Jerusalém à mão de Abraão estabelece o caráter judaico do vaso.
Foto do autor cortesia do Museu Aquileia


 Lâmpada de óleo de Aquileia
Foto do autor por cortesia do Museu Aquileia


A comunidade judaica de Aquileia era significativa e é atestada pelas inscrições nos túmulos, prova documental referente a uma sinagoga destruída por incendiários, e objectos como a lâmpada de óleo decorado com uma menorah em cima. A comunidade judaica de Aquileia andava na casa dos milhares.


Fonte:


Nenhum comentário:

Postar um comentário