sábado, 14 de dezembro de 2013

Pintores Judeus mortos no Holocausto



Por Santiago Raigorodsky



Santiago Raigorodsky nasceu em Buenos Aires, Argentina, em dezembro de 1944, onde viveu até 1975, quando se mudou para o Brasil. Lá, ele continuou a sua actividade artística como pintor, trabalhando em muitas cidades, mas especialmente no Rio de Janeiro e Curitiva. 






Em 1982, mudou-se para Israel, em Kfar Saba, onde continuou sua atividade artística, e também como professor. Atualmente vive em Barcelona. Ele também é o diretor do "Fine Arts - Artistas judeus" da associação cultural Tarbut Sefarad e autor de inúmeros comentários de arte e apresentações de exposições de arte judaica.



Algum tempo atrás, eu tive a oportunidade de ver, no edifício La Pedrera, em Barcelona, ​​uma magnífica exposição de Zoran Music, intitulado "De Dachau para Veneza", que me comoveu profundamente devido a várias razões. Devo confessar a minha ignorância da existência de Zoran Music, das suas obras e história pessoal. A abundância dos mesmos motivos podem ser vistas em muitas de suas obras de arte, independentemente de sua excelência. 


Auto-retrato de Zoran Music




Como seria de esperar, muitas das suas obras foram marcadas pelo tempo que ele passou como prisioneiro no campo de concentração de Dachau. Os horríveis personagens e cenas encheram suas obras de arte, marcaram a sua vida e ficaram gravadas na sua mente, através das quais, também nós podemos aprender com seus escritos. Mas Zoran Music, depois de passar por essa terrível experiência, teve sorte. Ele conseguiu se manter vivo e viveu para nos contar sobre essa experiencia, continuando com as suas pinturas. Ele escolheu viver em Veneza, onde ele morreu há alguns anos.

No entanto, a visão das suas obras trouxe à minha mente várias visitas que eu fiz no passado, a Yad Vashem, o Museu do Holocausto em Jerusalém e também ao Museu Hagetaot Lohamei, localizado no kibbutz com o mesmo nome (Fighters do Ghetto). Esta é a razão por que eu senti a necessidade de escrever este artigo, também motivado por algumas conversas com vários colegas sobre a impossibilidade de conhecer toda a pintura e todos os pintores. O que podemos ver e saber é, indiscutivelmente, apenas a ponta de um imenso iceberg.



Felix Nussbaum - Skeletten, 1944


Quantos pintores, mesmo os mais importantes, não tiveram a chance de serem gravados na história da arte, tal como muitos pintores, como este que viu a sua vida e obra colher além o mais terrível da praga que aconteceu com a humanidade, que foi a falta de a própria humanidade. O nazismo foi uma enorme tragédia para o mundo inteiro e as consequências terríveis e trágicas desse episódio negro na história. Milhões de vidas foram perdidas, entre os quais a vida dos negros, de ciganos, homossexuais, de deficientes mentais, os milhões deficientes físicos e também, claro, das vidas judaicas.

Com estas poucas linhas, gostaria de resgatar do esquecimento os vários nomes de pintores judeus, que, neste caso, foram assassinados em campos de concentração.



Devemos voltar a meados da década de 1930 do século passado, quando a influência do nazismo na Europa começou a ser notada. Paris, na época, foi o epicentro da atividade artística europeia e o lugar onde muitos pintores, alguns deles judeus, viveram. 

Trio - Félix Nussbaum, 1944





Em 1937, após a ascensão dos nazis ao poder, eles organizaram, numa galeria em Munique, o que eles chamaram de uma exposição de "arte degenerada", que incluiu cerca de 650 obras de arte de vanguarda de artistas como Van Gogh, Picasso, Chagall, Kokoschka, Klee, Feininger, Arp e muitos mais. 

A maioria destas pinturas foram posteriormente vendidas em leilões internacionais, de modo a financiar o regime nazi.


Mesmo antes disso, em 1933, sendo Goebbels ministro da ilustração e propaganda, ganhou o controlo sobre toda a imprensa escrita, os meios radicais e, especialmente, sobre todas as manifestações culturais de qualquer espécie. Propaganda, falta de liberdade e repressão brutal constituíram as melhores ferramentas para afirmar o controlo total do regime nazi. 



As bibliotecas foram limpas de tudo o que foi considerado "prejudicial" para o regime, a arte avant-garde, o expressionismo foi declarado "arte degenerada", e impuseram um tipo de arte derivada do classicismo greco-romano que exaltou mitos e heroísmo; Arianos acima de tudo. Milhares de cientistas, intelectuais e artistas, judeus e não-judeus tiveram de exilar-se, tentando escapar das garras dos nazis. Mas muitos deles não conseguiram salvar-se. Durante esses anos, inúmeras obras de arte foram destruídas e muitas outras foram roubadas pelos funcionários nazis de altas fileiras, muitos deles com uma educação refinada e bom conhecimento estético.

Hoje em dia, muitos governos europeus e instituições internacionais estão envolvidos na tentativa de restituir uma grande quantidade de obras de arte roubadas pelos nazis aos seus verdadeiros donos. 





Existe um livro perfeitamente documentado, intitulado "O Museu Perdido" (Destino Editora, Novembro de 2004), pelo investigador Portoricanho Hector Feliciano.


Foto de Hector Feliciano






Hector Feliciano disse, durante uma visita a Madrid: "Hitler e Goering, assim que capturaram Paris, criaram uma unidade de pilhagem artística, uma equipe de 60 pessoas com licença para confiscar obras de catálogo, pinturas e fotografias, transportá-los nas melhores condições, incluindo a restauração, se necessário, e eles nem sequer desprezavam a arte degenerada, proibida na Alemanha. Os nazis roubaram 203 colecções particulares, entre as 100.000 obras de arte, muitas delas obras-primas, também havia meio milhão de peças de mobiliário e um milhão de livros ".

A história de crimes e privações do regime nazi é terrível e todos eles estão muito bem apoiados por toneladas de depoimentos e documentos que comprovam a sua terrível existência, apesar de todos os contestatários que tentam enterrar ou deslegitimar a terrível verdade de tais factos. A tragédia de tantos seres humanos, entre elas, de tantos artistas, é apenas um episódio deste momento terrível da história.



Auto-retrato de Peter Kien, Museu Theresienstadt


Um campo menos conhecido era o de Theresienstadt. Lá, na cidade Checz agora chamada de Terezin, cerca de 60 km a norte de Praga, ficava o campo de concentração de Theresienstadt. Em novembro de 1941, os nazis construíram um gueto murado, onde se concentraram um grande número de judeus. Além de os prisioneiros não judeus, eles também lá colocaram judeus da Checoslováquia, Alemanha, Áustria, Holanda, Dinamarca, Luxemburgo, Hungria e muitos outros países. 


A mente distorcida e má dos nazis era então inaugurada em Theresienstadt que serviu para esconder uma enorme operação de extermínio dos judeus. Theresienstadt foi concebido para se parecer com uma "colónia judaica modelo", onde gravaram um filme com propósitos propagandísticos, num esforço para mostrar ao mundo o quão bem o regime tratava os judeus. Eles explicaram que os judeus vieram a Theresienstadt voluntariamente. O filme foi chamado. "O Fuher oferece uma cidade aos judeus." Em Junho de 1944, nos últimos dias do regime, os nazis permitiram a visita de uma delegação da Cruz Vermelha Internacional, para a qual, durante um breve período, as condições de vida melhoraram. Eles instalaram cafés, creches, escolas, até mesmo um banco, e até uma certa atividade cultural foi permitida: conferências e grupos de estudo, uma biblioteca e até mesmo ópera e teatro.




Na verdade, os nazis reuniram neste campo, um grande número de escritores, intelectuais e artistas e forçaram-nos a trabalhar no departamento de técnica e gráfica, a fim de explorarem o seu conhecimento para seu próprio bem e esconder a realidade do regime. Muitos dos pintores presos e abusados ​​lá e em outros campos de concentração, como Auschwitz, foram capazes de enfrentar a dura e cruel realidade graças à possibilidade de se expressarem através da arte.



Schleifer Savely, Still Life, 1941 Museu Lohamei Haghetaot


Em algumas ocasiões, os próprios oficiais nazis, conscientes dos seus enormes talentos, pediam-lhes para fazer retratos seus e das suas famílias. Eles trabalharam na surdina, arriscando as suas vidas.

Muitas das obras criadas no campo de concentração chegaram até nós de diversas maneiras. Na realidade, os nazis começaram a procurar essas obras, a fim de as destruir e ter certeza de que a verdade nunca poderia ser revelada, porque as pinturas e desenhos eram testemunhos sobre a realidade dos acampamentos. 



Os artistas, sabendo da pesquisa, decidiram esconder as suas obras em muitas partes do gueto. Fritta, um deles, escondeu o seu trabalho artístico numa caixa metálica debaixo da terra, Ungar num nicho que ele escavou numa parede e Haas num sótão.

Retrato de Leo Hass de Otto Ungar




Em Theresienstadt, entre os deportados (cerca de 30.000) morreram, devido a condições adversas, a fome e a doenças. Até ao final da guerra, cerca de 88.000 pessoas foram transferidas para Auschwitz e outros campos de extermínio, onde foram assassinados. Temos que ter em mente que este não era um campo de extermínio.


Terezin, 1942 – “Expulsão infantil” - uma gravura de Leo Haas.




Mesmo em Auschwitz, entre 1940 e 1945, milhares de obras de arte foram criadas, e 1.500 destas, estão expostas no Museu do campo na Polónia. Inúmeros testemunhos da terrível realidade dos campos de concentração foram documentados em inúmeros esboços e pinturas feitas por pintores judeus. Muitos deles morreram nas câmaras de gás.




Numa exposição organizada em Berlim, em 2005, a grande quantidade de obras de arte dos artistas que tinham sido prisioneiros de Auschwitz mostravam as cenas que descrevem a realidade das suas vidas. Os motivos recorrentes eram auto-retratos e retratos de prisioneiros nos uniformes listrados ou com a Estrela de David distinta, e também cenas para fins práticos, como por exemplo a forma de evitar a propagação dos piolhos no gueto, ou, filas de pessoas à espera de ser deportadas (sem saberem que o seu destino final seria a morte), os aspectos das ruas do gueto, pessoas doentes, morrendo ou já mortas.



Leo Haas – Transporte para Auschwitz



Otto Ungar – Transporte de crianças para Terezin, 1943


No entanto, eles também pintaram algumas paisagens dos arredores dos campos, idealizas pelas mentes dos artistas, e até mesmo algumas pinturas com um tom de humor, caricaturas personagens ou céus e montanhas ou cenas engraçadas e não só pintadas, como também escritas. Tal foi o caso do artista Peter Kien, cujas obras estão expostas no Museu de Theresienstadt.



Malva Schalek - 1942 Beit Lohamei Haghetaot





Em 1978, o colecionador suíço Oscar Ghez del Castelnuovo doou 137 obras de arte para a Universidade de Haifa, que havia sido criado por 18 pintores que morreram no Holocausto. 

Universidade de Haifa




Esta coleção foi uma homenagem aos artistas e é parte dos arquivos importantes que documentam a atividade daqueles pintores que pertenciam ao que foi chamado de Escola de Paris judaica. Esta coleção foi exibida em 2007, no Museu Hecht, da Universidade de Haifa. Naum Arenson, da Letónia, Georges Asche, nascido em Varsóvia, Abraham Berline da Ucrânia, Jacques Cytrynovich da Polónia, Chaim Epstein da Polónia, Shaul Feinsilber da Ucrânia, Aizik Feder da Ucrânia, Jacques Gotko da Ucrânia, Nathan Greunsweig da Polónia, Karl Haber, também polaco, Joseph Hecht da Polónia, Max Jacob da Grã-Bretanha, o Checz George Kars, Moshe Kogan da Bessarábia, Nathalie Kraemer da França, Roman Kramsztyk da Polónia, Joachim Weingart e León Weissberg de Galitzia, estes são os nomes dos 18 artistas que fizeram parte dessa exposição. 




Todos foram assassinados pelos nazis entre 1942 - 1944, em vários campos de extermínio.


 Jacques Gotko - 1942 Vista da Frente Stalag





Claro, eu não posso anotar os nomes de todos os pintores que foram mortos durante aqueles anos terríveis, porém eu gostaria de escrever um pouco mais: Peter Kien, que morreu em Auschwitz, tem centenas de desenhos e aquarelas no Museu Terezin, Félix Nussbaum, Charlotte Salomón, Otto Ungar, Bedrich Fritta, Ferdinand Bloch, Malva Schalek, Jacobo Macznik, Samuel Granovsky, David Brainin, Amalie Seckbach, Julius Cohn, Karel Fleischmann, Savely Schleifer, Szymos Szerman, Jerzy Fuks e tantos mais que me fariam preencher listas intermináveis. 



Artistas de toda a Europa, da Alemanha, Ucrânia, França, Polónia, Estónia, Letónia, Lituânia e outros países foram presos pelas tropas nazis, enfiados em campos de concentração, onde a maioria deles foram exterminados com uma pressa brutal.

 Julius Cohn, Deportação, 1942




Um caso particular foi o de Petr Ginz, um menino de 14 anos que foi tirado de seus pais e preso no campo de concentração de Terezin. Petr era uma criança muito talentosa e que ele já tinha escrito oito romances, muitos artigos e feitos lotes de desenhos. Em Terezin, Petr fundou a revista clandestina, Vedem que incluiu ensaios, poemas, contos e artigos científicos. Petr desgastado, como mostram os seus depoimentos, pelos seus dias de fome e sofrimento, foi pintando e escrevendo, criando imagens de um mundo livre em que os homens podiam navegar nos mares e voar para a lua. Petr Ginz, aos 16 anos de idade, dois anos após sua prisão, foi deportado para Auschwitz, onde morreu na câmara de gás. 



Os seus sonhos foram preservados em 120 desenhos que permaneceram ocultos em Theresienstadt. Depois da guerra, uma criança sobrevivente tirou-os do seu esconderijo e deu-os os pais de Ginz que tiveram mais sorte que o seu filho. Quando chegaram em Israel, eles doaram esses desenhos para o Yad Vashem, onde foram expostos. Os pais de Ginz também conseguiram resgatar alguns dos seus escritos, na forma de um diário, que permaneceu desconhecido até 1 de Fevereiro de 2003. 








Naquele dia, o vaivém espacial Columbia explodiu, uma tragédia que tirou a vida da sua tripulação de sete pessoas, entre elas, o israelita Ilan Ramon. Antes do voo, Ramon entrou em contato com o Museu Yad Vashem e pediu para levar com ele um objeto relacionado com o Holocausto, a fim de fazer uma homenagem às suas vítimas, entre as quais a sua própria mãe. 








Foi-lhe dado um desenho, Moonscape, por Petr Ginz, no qual a Terra era mostrada como se fosse vista da Lua. Os televisores transmitiram este desenho nas semanas seguintes à tragédia.


Moonscape, por Petr Ginz







Jiri Ruzicka, um morador de Praga, lembrou-se de ter visto desenhos semelhantes em algumas caixas velhas. Esse é o número de desenhos e escritos de Petr que foram descobertos e posteriormente publicados sob o título de "O Diário de Petr Ginz, 1941-1942". Tão dramático como o diário de Anna Frank, também este reflete as duras condições impostas pelo regime nazi.

Felizmente, muitos artistas foram capazes de sobreviver ao horror nazi, dando-nos assim, os seus próprios testemunhos que eles viveram durante aqueles anos terríveis que permanecerão para sempre gravadas nas suas mentes, corpos e almas. 





Gostaria de citar alguns deles, como um tributo às suas vidas e sua fé na arte, o que os ajudou de alguma forma para sobreviver: Leo Haas, Otto Ungar, Charlote Burešová, Ester Lurie, Halina Olomucki, Karl Schwesig, Howard Oransky, Diana Kurz e muitos mais, que continuaram, sem fadiga, a pintar, para expressar os seus sentimentos através da arte.


Criança - Vendedor no Gueto, Halina Olomucki








Mesmo que muitos dos pintores e seus desenhos e pinturas que eu aqui mencionei têm essencialmente um valor testemunhal, por causa das más condições em que trabalhavam, mas existem muitos outros de excelente valor artístico.



Petr Ginz e sua irmã, Yad Vashem


Antes do trágico acidente do vaivém espacial Columbia, Ilan Ramon disse durante uma conferência: "Eu sinto que minha jornada cumpre o sonho de Petr Ginz. Um sonho que é a prova final da grandeza da alma de um menino aprisionado dentro dos muros do gueto, as paredes que não poderia conquistar o espírito. "

Hoje em dia, podemos admirar em inúmeros desenhos e pinturas de lugares, os muitos dos pintores assassinados pelos nazis, cujo espírito de liberdade e vida ainda prevalece entre nós ".


Bibliografia:

http://www.belt.es/noticias/2004/noviembre/25/saqueo_nazi.htm; http://www.dw-world.de/dw/article/0, 2144,3324693,00. html (Cornelia Rabitz / eu); http://www.derechos.org/nizkor/espana/doc/auschwitz.html (Araceli Viceconte, Berlim); http://www.milimcultural.com.ar/artistas/ (Alicia y Salvador Benmergui): http://www.dw-world.de/dw/article/0, 2144,1594375,00. Html; http://www.betshalom.cat/modules.php?name=News&file=article&sid=174 (Sonja Friedman - La Palabra Israelita); http://www.yadvashem.org/; http://redescolar.ilce.edu.mx/redescolar/act_permanentes/historia/html/obrap.htm; http://wc4.worldcrossing.com/webx?14 @ @ .1de1383d/255; http://www.forosegundaguerra.com/viewtopic.php?t=3078&highlight=artistas+theresenstadt; http://es.wikipedia.org/wiki/Campo_de_concentraci% C3% B3n_de_Theresienstadt; http://lastexpression.northwestern.edu/exhibition_fr_search.html; http://www.memoriales.net/topographie/israel/lohamei.htm (Dra. Pnina Rosenberg); http://www.memoriales.net/topographie/israel/terezin.htm; Revista Raíces N º 69 - Alberto Saúl - "Artistas judios fallecido Durante el holocausto"; "El museo DESAPARECIDO" - Héctor Feliciano, Ed. Destino; "Diario de Praga (1941-1942) – Petr Ginz - Edit. El Acantilado; Janet Blater y Sibil Milton_Art do Holocausto, Pan Books, Londres 1982

Fontes das fotos, vídeo e gravuras adicionais:


Nenhum comentário:

Postar um comentário