sábado, 28 de dezembro de 2013

Bachya ben Yosef ibn Paquda - 25 de Tevet



Chovat Halevavot é publicado

(1559)



Chovat Halevavot, uma obra clássica da ética judaica, escrita pelo rabino Bachya ben Yosef ibn Paquda (o primeiro "Rabeinu Bechayei") em/ou antes de 1161, e traduzida para o hebraico do original em árabe pelo famoso tradutor R. Yehuda idn Tibon em 1167, foi publicada pela primeira vez em 25 de Tevet do ano 5319 da criação (1559).



The Sufi Islamic influences on R. Bahya ibn Paquda's - חובת הלבבות - Chovas Ha-levavos 
(Duties of the Heart).


Bahya ben Joseph ibn Paquda (hebraico: בחיי אבן פקודה) foi um judeu filósofo e rabino que viveu em Zaragoza, Espanha, na primeira metade do século XI. Ele é muitas vezes referido como Rabbeinu Bachya.

Bahya ben Joseph ibn Paquda (hebraico: בחיי אבן פקודה) foi um judeu filósofo e rabino que viveu em Zaragoza, Espanha, na primeira metade do século XI. Ele é muitas vezes referido como Rabbeinu Bachya.

Ele foi o autor do primeiro sistema de ética judaica, escrito em árabe em 1080, sob o título Al Hidayah ila Faraid al-Qulub, Guia dos Deveres do Coração, e traduzido para o hebraico por Judah ibn Tibbon nos anos 1161-1180 sob o título Chovot HaLevavot, Instrução nos Deveres do Coração.




Pouco se sabe da sua vida, exceto que ele tinha o título de Dayan, juiz do tribunal rabínico. Bahya estava completamente familiarizado com a literatura judaica rabínica, bem como a filosofia e ciência árabe, grego e literatura romana, citando frequentemente algumas passagens de filósofos morais não-judeus na sua obra.

Bahya diz na introdução que “Deveres do coração” era o que faltava para preencher uma grande necessidade na literatura judaica, ele sentiu que nem os rabinos do Talmud nem rabinos posteriores trouxeram adequadamente todos os ensinamentos éticos do judaísmo num sistema coerente.




Bahya sentia que a atenção de muitos judeus estava apenas na observância exterior da lei judaica, as tarefas a serem desempenhadas pelas partes do corpo" ("Hovot HaEvarim"), sem levar em conta as ideias internas e sentimentos que devem ser incorporados no presente modo de vida, "as funções do coração" ("Hovot HaLev"). Ele também sentia que muitas pessoas desconsideravam todos os deveres que lhes incumbem, seja observâncias externas ou obrigações morais internas.

Na sua opinião, a maioria das pessoas agiram de acordo com motivos mundanos egoístas. Portanto Bahya sentiu-se impelido a fazer uma tentativa de apresentar a fé judaica como sendo essencialmente uma grande verdade espiritual fundada na razão, revelação (especialmente sobre a Torá), e da tradição judaica. Ele colocou pressão sobre a vontade e a disposição alegre do coração de que ama a D’us para realizar as tarefas da vida.




Muitos escritores judeus familiarizados com a sua obra consideraram-no um pensador original de alto escalão. De acordo com a Enciclopédia Judaica:

Bahya combinava um raro grau grande profundidade de emoção, a imaginação poética viva, o poder de eloquência, e a beleza de dicção com um intelecto penetrante, e estava, portanto, bem preparado para escrever um trabalho sobre o objeto principal  que não estava a discutir sobre defender as doutrinas do judaísmo, mas apelar aos sentimentos com o intuito de agitar e elevar os corações das pessoas.





Chovot HaLevavot tornou-se, um livro popular entre os judeus em todo o mundo, e partes dele foram recitados para fins devocionais durante os dias antes de Rosh Hashaná, o Ano Novo judaico.





 As suas obras serviram de inspiração e base para escritores judeus posteriores, como Berachyah na sua obra filosófica enciclopédica Sefer Hahibbur (O Livro de compilação).



Pintura de Shoshannah Brombacher

This drawing is based on the medieval work Duties of the Heart by Bachya ibn Paquda, the calligraphy consists of a metrical poem with the subjects of the book. It was made as a wedding present and also contains the pesukim (Verses from Tenakh) for the couple.


Fontes:

Nenhum comentário:

Postar um comentário