sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Cartas de Lisboa | Vaetchanan


Vaetchanan














O Povo Judeu sempre foi uma minoria na cena mundial. Na verdade na Parsha desta semana, a Torá diz-nos:

"Sois os menores de todas as pessoas." (Devarim 6: 7)




Ser pequeno pode ter certas qualidades. No entanto, para tentar levar a uma mudança a nível global, para influenciar e ensinar ao mundo a mensagem da Torá, os números parecem ser importantes.


O Rebe de Lubavitch, ao reflectir sobre este versículo da nossa Parsha, coloca as seguintes questões:

"Como se pode exigir de uma minoria que permaneça firmemente oposta à influência da maioria?"

Mesmo que a minoria seja capaz de manter sua própria identidade, "Como pode esta minoria ainda tentar criar influência real, sabendo que será sempre uma minoria?"




Falando em 1951, o Rebe retirou uma lição do átomo, e da capacidade de extrair energia a partir dele.






Em tempos passados, a força e o vigor foram, invariavelmente, medidos pela quantidade. Quanto maior fosse a força ou massa maior seria o efeito físico. A descoberta e compreensão do átomo, inverteu todas essas convicções anteriormente mantidas.

Aqui, pela primeira vez, a energia estava sendo aproveitada, não pela multiplicação dos elementos, mas pela sua divisão.

No serviço de D'us, como Povo Judeu cumprindo o nosso chamamento, esta ideia também se aplica.




Na linguagem Hasídica o termo "Bitul Hayesh", o foco na diminuição próprio ego e status, é a personificação desse "menos é mais" ideal.

Para ser realmente influente, não precisamos olhar para os grandes números; é no interior, onde temos o que conta.


Esta mensagem é crucial, não só na forma como nos identificamos como uma nação. É igualmente importante na forma como nos vemos a nós mesmos.


Ao tentar induzir mudança, muitas vezes podemos sentir-nos sozinhos. Essa solidão é às vezes sentida não só quando estamos ao lado de outros, mas também ao analisarmos os nossos sentimentos íntimos.


O desejo de cumprir o que Deus pede de nós, pode ser sentido como apenas uma pequena parte do que somos, uma "minoria dentro de uma minoria."


No entanto, esta é exactamente a mensagem da nossa Parsha. Não é a quantidade que tem o efeito mais forte, mas, como acontece com o átomo, o que conta é a relação com o nosso núcleo.



Saber que D-us especificamente nos colocou no nosso próprio e único ambiente, é tudo o que precisamos em termos de instruções.


Ao tocar na nossa essência, podemos libertar o poder da nossa alma e criar a mudança em que acreditamos.


Shabat Shalom!
Cortesia do Rabino
Eli Rosenfeld
chabadportugal.com



Imagens:

1ª Gravura de Carl Friedrich H
2ª Ilustração das 1728 figuras de la Bible
Símbolo do átomo
4ª Decalogue parchment by Jekuthiel Sofer 1768
5ª Torah | Cultura Judaica

Nenhum comentário:

Postar um comentário