quarta-feira, 18 de setembro de 2013

A Sukkot e o Salmo 121!



Shir La Ma’alot 
Um Cântico Para Ascensão 

Rei David tocando harpa, fol.1b, Miscelânea Rothschild, Itália, c. 1460-1480


    O Salmo 121 - Shir La ma’alot – Esa einai el heharim, faz parte de um conjunto de Salmos (120-134) que formam um pequeno livro. É o único do conjunto com o título Shir La ma’alot – “Cântico para Ascensão” -, ao contrário dos outros que têm o título de Shir Ha ma’alot - “Cântico de Ascensão” ou “Cântico das Subidas”. Estes Salmos eram cantados pelos peregrinos na subida ou ascensão para Jerusalém, para os Festivais no Templo.

   Os peregrinos deparavam-se com muitos perigos, nomeadamente os assaltos. Cantar os Salmos era pois um meio de fortalecer a fé no D’us Único, que lá no alto das montanhas guardava o Seu povo.

  No texto do Salmo 121, o Salmista parece estar isolado, cercado pelas circunstâncias da vida, procurando abrigo no Eterno.


Salmo 121: 1-2 - Um Cântico para Ascensão. Ergo meus olhos para as montanhas de onde virá meu auxílio. Meu socorro vem do Eterno, o Criador dos céus e da terra.

     Em resposta, vozes de anjos proferem palavras de conforto e consolação.

121:3-8 – Ele não permitirá que resvale teu pé, pois jamais se omite Aquele que te guarda. O Guardião de Israel jamais descuida, jamais dorme. D’us é a Tua protecção. Como uma sombra, acompanha-te à Sua destra. De dia não te molestará o sol, nem sofrerás de noite sob o brilho da lua. O Eterno te guardará de todo o mal; Ele preservará a tua alma. Estarás sob a Sua protecção ao saíres e ao voltares, desde agora e para todo o sempre. 

Festa das Sukkot, Bênção do Lulav, fol. 147r, Miscelânea Rothschild, Itália, c. 1460-80


   Na época do Templo, os Levitas cantavam os 15 “Salmos de Peregrinação” (120-134), no serviço de Sukkot. A nossa dedicatória à Festa das Sukkot, muito mais modesta, recai sobre o Samo 121. Atribuído ao rei David, está profusamente representado na música. É através dela que propomos uma pequena viagem por um texto pleno de significado e simbolismo, muito vivo ainda nos nossos dias.

 Comecemos por uma recriação da musicóloga francesa Suzanne Haïque-Vantoura, segundo a sua tese de decifração das várias componentes do texto massorético exposta em La Musique de la Bible révelée.


The Music of the Bible Revealed: Psalms 121 (Alienor)



Felix Mendelssohn (1809-1847)


   O segundo exemplo pertence à Oratória “Elias” de Mendelssohn, composta em 1846, para o Festival de Birmingham, em Inglaterra. Trata-se do famoso coral (a cappella), que ficou conhecido por “Coro dos Anjos”. Vamos ouvi-lo, numa interpretação do coro de rapazes do King’s College de Cambridge. 


Mendelssohn: Lift Thine Eyes (From Elijah, Op. 70)


No.28: Chorus ANGELS: Lift thine eyes to the mountains, whence cometh help. Thy help cometh from the Lord, the Maker of heaven and earth. He hath said thy foot shall not be moved; thy Keeper will never slumber.


    Como terceiro exemplo escolhemos uma versão interpretada cantor israelita Ben Snof. 


Tehilim 121 (Salmo 121) – Shir Lama’alot – Ben Snof


  Por último, escolhemos uma versão muito especial: trata-se de uma interpretação da cantora iraniana Sepideh Raissadat, acompanha por um coro infantil, o Piccolo Coro Mariele Ventre dell’Antoniano, de Bolonha. Sepideh canta o Salmo em persa, e as crianças cantam-no em hebraico. A música foi composta por Siro Merlo. 


Sepideh Raissadat, Piccolo Coro Mariele Ventre dell'Antoniano



Sukkot, Izydor Kaufman, 1905


Este artigo foi mais um elaborado por:

Sónia Craveiro
Que desta forma doce deseja a todos os leitores do Eterna Sefarad: 

Feliz Sukkot!

Obrigada Sónia 
Beijinhos

Fontes:
SIDDUR COMPLETO, editora & livraria SÊFER

Nenhum comentário:

Postar um comentário