sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Os judeus de Sarajevo e suas memórias!


Primeira sinagoga de Sarajevo, hoje, transformada num museu que mantém viva a história dos seus judeus.


A história dos judeus em Sarajevo pode ser rastreada até mais de 400 anos atrás, quando os primeiros judeus chegaram a Sarajevo, já em 1541 através de Salônica. Eles eram em sua maioria artesãos, comerciantes, farmacêuticos e médicos. Eles construíram o seu próprio Bairro, apelidado de El Cortijo (o pátio), em 1577, com a permissão do Siavush paxá. A comunidade construiu uma sinagoga em El Cortijo em 1580 com a ajuda de um benfeitor turco, num edifício chamado Velika Avlija . Até o final do século XVI, o prédio onde Velika Avlija estava tornou-se conhecido pela Catedral do velho judeu e seria a primeira sinagoga de Sarajevo.
No século XVII, fugindo da perseguição da Europa, os judeus Ashkenazim começaram a chegar a Sarajevo. Os judeus já estabelecidos na cidade eram de origem sefardita, e as duas comunidades permaneceram separadas até o advento da Segunda Guerra Mundial.




 



A má sorte caiu sobre a comunidade judaica, quando os austríacos ocuparam Sarajevo em 1697. Eles queimaram e destruíram bairro judeu da cidade, incluindo a sinagoga. Quando os austríacos foram obrigados a devolver a cidade para os otomanos, em 1739, os judeus começaram a ter melhor sorte, e foi-lhes concedido o reconhecimento oficialmente. Por volta do ano de 1856, os judeus tinham já um estatuto de igualdade perante a lei.





Ao longo dos próximos séculos, os judeus em Sarajevo prosperaram. A cidade tornou-se numa importante encruzilhada nos Balcãs para a vida judaica, e veio a ser conhecida como Pequena Jerusalém. Em meados do século XIX, todos os médicos em Sarajevo eram judeus, e quando os judeus educados começaram a chegar da Europa, em 1878, as crianças judias começaram a frequentar a escola pública.



Hoje, existem apenas 700 judeus em Sarajevo, de uma população total de 400.000. A comunidade não é particularmente religiosa, mas um rabino vem de Israel , quando necessário. Porém eles continuam a realizar os serviços de sexta à noite, e também a comemorar todos os feriados judaicos com entusiasmo. Alguns ainda falam o ladino. Um jornal trimestral judeu ainda está em publicação, Jevrejski Glas (Voz Judaica), e há também um centro da comunidade judaica, onde fazem eventos e programas dentro da comunidade.





Há muitos vestígios maravilhosos de herança judaica de Sarajevo ,El Cortijo, que fica perto Bascarja, Cidade Velha de Sarajevo, e é delimitada por quatro ruas: Ferhadija, Mustafa Mula Beseckija, Gazi Husrev Begova, e Jelice. E a Sinagoga Velha, que hoje abriga o Museu Judaico.




O Museu Judaico narra a história da comunidade judaica em Sarajevo, incluindo uma valiosa coleção de livros em ladino e outros livros judaicos, alguns impressos há mais de 200 a 300 anos atrás. A sinagoga na Bósnia-Herzegovina é o edifício mais antigo, que foi construído em 1581, e foi incendiado e reconstruído por duas vezes, em 1679 e 1778. Tornou-se parte do Museu de Sarajevo, em 1966, e é dedica-se exclusivamente a retratar a história dos judeus. Reabriu em 2004, depois de dar refúgio a muitos artefactos antigos da cidade, durante a guerra dos Balcãs.





O piso térreo do edifício Sinagoga Velha é uma sinagoga consagrada onde os serviços são realizados em ocasiões especiais. Há também uma exposição de objetos rituais e tradições religiosas judaicas.






Os dois andares superiores, que consistem em varandas de pedra em arco ao redor da área do santuário, exibem exposições históricas sobre o edifício. Parte do museu é dedicado a mostrar a riqueza da vida judaica do pré-Holocausto, bem como uma seção detalhando o funcionamento da comunidade judaica durante a Guerra da Bósnia. Durante a guerra, a organização da comunidade para o bem-estar social, La Benevolencija, ganhou fama internacional como um canal fundamental para a ajuda humanitária não sectária para toda a cidade.





Ao lado da Sinagoga Velha é a Hram Novi (Nova Sinagoga), que agora abriga uma galeria de arte de propriedade da comunidade judaica de Sarajevo. Há também uma sinagoga sefardita, construída em 1932, chamado Il Kal Grande. Foi em tempos vez a maior e mais ornamentada de todas as sinagogas nos Balcãs, mas os nazis destruíram e saquearam o seu interior em 1941.



Não há nenhum rabino residente em Sarajevo, mas Eliezer Papo, que dirige um centro de estudos na sefardita na Ben-Gurion University, em Israel, volta para sua cidade natal, pelo menos duas vezes por ano para oficiar as Grandes Festas.




O cemitério judaico, localizado em Kovacici, é um dos mais importantes cemitérios judaicos na Europa por causa da forma das lápides e das antigas inscrições em Ladino. Fundado por judeus sefarditas em 1630, o cemitério também se tornou o local de enterro para muitos judeus Ashkenazim em 1950. O cemitério tem dois memoriais do Holocausto, um sefardita erguido em 1952, e um Ashkenazi erguida em 1962.




A famosa Hagadá de Sarajevo do século XIV é um dos grandes tesouros da cidade. Originalmente criada em Espanha, foi redescoberta em 1894.



Para ler a interessante história deste tesouro, clique em:
 
Fontes:


Nenhum comentário:

Postar um comentário