sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Cartas de Lisboa | Vayetsê


Vayetsê

O início da porção da Torá desta semana apresenta o poderoso imaginário do sonho de Jacó. Uma escada celestial transporta anjos para cima e para baixo e subitamente D-us aparece a Jacó.


Pintura de Bartolomé Esteban Murillo


D-us abençoa Jacó nos versos que se seguem “Os teus descendentes serão como o pó da terra e expandir-te-ás para oeste, este, norte e sul.” (Bereishit 28:14)

À primeira vista esta bênção parece ser de significado óbvio. Os descendentes de Jacó serão tão numerosos como a poeira e espalhar-se-ao por todo o mundo.

Dom Abarbanel, contudo, questiona a forma e a estrutura desta bênção.

"Porque é que a Torá se refere a Jacó como quem se vai expandir ao passo que a comparação anterior com a poeira se refere explicitamente aos seus filhos?

"Porque não poderia a Torá simplesmente dizer que os teus filhos serão numerosos como a poeira e espalhar-se-ao por todo o mundo?”


Dom Abrabanel explica que a Torá tem o cuidado de nos dar uma mensagem muito importante para Jacó e para nós; os seus descendentes:

Povo Judaico.


Pintura da porção Vayetsê de: Philippe Doneton


O que D-us está a dizer a Jacó é que ainda que o Povo Judaico seja muito numeroso e eventualmente se encontrará disperso por todo o mundo, ele continuará a manter o seu nome.

Ainda que nos possamos encontrar através dos tempos em todos os locais e sociedades, é como se Jacó, ele próprio pessoalmente estivesse lá connosco.

Por isso o verso usa a expressão “tu expandir-te-ás”, não só serão apenas os teus descendentes numerosos e presentes em toda a parte do mundo, como também serão sempre reconhecidos como teus descendentes, reflectindo os teus ensinamentos e valores morais.


Cortesia de:

Rabbi Eli Rosenfeld
chabadportugal.com
Shabat Shalom!

Nenhum comentário:

Postar um comentário