sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Cartas de Lisboa | Mishpatim




Mishpatim


A parsha de Mishpatim contém muitos dos princípios fundamentais que compõem o direito civil judaico. Muitas das situações descritas na nossa porção da Torá são discutidas em profundidade como estudos específicos no Talmud.


Uma das mais famosas discussões talmúdicas têm a ver com as leis relacionadas com os quatro “shomrim", "custódios", pessoas encarregadas de tomar conta de um objeto pertencente a outra pessoa.

Como com todos os textos talmúdicos famosos em torno desses versos, o rabino Abraão Saba escolhe oferecer uma visão mística sobre o conceito de custódia.

Citando o Zohar, o rabino Saba fala-nos de um direito exclusivo, que entra em jogo quando tomamos conta de um objeto de outra pessoa.

Embora possamos ser credores de dinheiro, ou ter outras reclamações contra o proprietário do objeto, seria errado não devolver imediatamente o objeto que nos foi dado a guardar. Quando alguém nos pede para cuidar de algo, a nossa única prioridade deve ser devolvê-lo quando solicitado.

Isto é diferente de um cenário de empréstimo, onde se pode calcular e deduzir os fundos se existirem obrigações anteriormente existentes. O "shomer," o "custódio" deve devolver sempre o objeto em todas as circunstâncias, diz o rabino Saba.

É o cumprimento desta lei, diz "Tzror Hamor," o que pedimos a D-us cada noite antes de ir dormir.





"Beyadcha afkid ruchi ..." "Em tuas mãos entrego a minha Alma ..." É uma pequena oração que recitamos todas as noites depois do Shema.



Quando dormimos as nossas almas deixam parcialmente  o nosso corpo, ascendendo até D-us. Pedimos a Deus para por favor nos devolver a nossa alma, revigorada e fortalecida. A palavra que usamos para descrever esse fenómeno, é "afkid" a mesma palavra em hebraico que descreve o custódio na nossa parsha.

Embora possamos ter saldos anteriores com D-us, e podermos ser culpados de infracções puníveis, pedimos a Deus para cumprir a mesma lei que nos deu. Para ter fé em nós, para nos devolver as nossas almas ignorando as nossas iniquidades anteriores.

Para nos dar a oportunidade para um outro dia, onde podemos realizar o nosso potencial, guiados pela Torá e seus Mitzvot.


Shabat Shalom!
Cortesia do Rabino

Eli Rosenfeld
chabadportugal.com



Fontes das imagens:
http://www.mykosherhome.com/index.php?csstype=articlepublished&articleid=281&article=true
https://plus.google.com/100078492193826135534/posts/fxdUHiSnCxr?pid=5799714304467318642&oid=100078492193826135534

Nenhum comentário:

Postar um comentário