sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Cartas de Lisboa | Ki-Tavo



Ki-Tavo
Dennis Bacchus  - Bikurim


A nossa Parashat começa com o Mandamento dos primeiros frutos, Bikurim. Depois de se radicar em Israel o Povo Judaico foi mandado levar como oferta e em apreciação do que D-us por eles fizera, os primeiros dos frutos que amadureceram. 


Dennis Bacchus  - Bikurim



O Mandamento como descrito nestes versos contem imensos detalhes cheios de simbolismo e significado. O Rabi Abraão Saba, no seu comentário Tzror Hamor explica o procedimento de forma mística. 

Enquanto no sentido literal o que é descrito é a apresentação ao sacerdote, ao Cohen, de frutos propriamente ditos, a um nível mais profundo, alude-se não apenas a frutos mas isso sim à apresentação nos céus dos frutos da nossa vida inteira. 



É-nos dito que depois da Alma nos deixar e chegar ao seu julgamento no tribunal Divino, lhe é imediatamente perguntado:

 “Fostes honesto?”, “Fizeste do estudo da Torá uma prioridade?


Na antecipação destas “primeiras” questões, diz o Tzror Hamor, que precisamos de estar preparados para trazer os “primeiros frutos”. Ele diz-nos que isto é: A nossa dedicação à Torá e aos seus Mandamentos e o viver uma vida pautada pela honestidade e por valores morais.

O verso diz-nos então para a pessoa colocar os primeiros frutos num cabaz. 

“Deverão colocá-los num cabaz”.

Pintura de Alex Levin


Com este "cabaz de Mandamentos” seguro na nossa posse, não teremos então nada a temer. Quando nos concentramos nestes feitos, nos aplicamos na Torá e nos Mandamentos como nossa prioridade, isto será algo que estará connosco para toda a eternidade.



 Rabino 
Eli Rosenfeld

Shabat Shalom!

Nenhum comentário:

Postar um comentário