terça-feira, 17 de julho de 2012

Joshua Fit the Battle of Jericho



Espiritual Negro


Joseph “King” Oliver Creole Jazz Band




     Joshua Fit the Battle of Jericho é um dos melhores exemplos de espirituais negros, um género musical criado pelos escravos afro-americanos que viveram nesta condição cerca de 300 anos – sensivelmente o mesmo período de tempo de servidão do povo israelita no antigo Egipto.

     Aos escravos norte-americanos era proibido aprender a ler. No entanto, desenvolveram uma arte musical intuitiva, com base nas suas culturas originais africanas, combinadas com as influências missionárias protestantes, de uma expressividade e complexidade únicas. É pois tempo de ouvirmos este magnífico espiritual.



Joshua fit the battle of Jericho, Jericho, Jericho,
Joshua fit the battle of Jericho, and the walls came a tumbalin down

JERICÓ

Vista das muralhas de Jericó, fotografia do MNE de Israel

     Jericó, localizada na margem ocidental do rio Jordão, uma das poucas fontes de água daquela região desértica, é das cidades mais antigas do mundo. No caminho de uma das rotas comerciais mais importantes daquele tempo, foi alvo de ataques sucessivos. Por esta razão era uma cidade muito bem fortificada, com muralhas que pareciam indestrutíveis aos olhos humanos.




Esquema em recorte da
fortificação
de Jericó, baseada no trabalho da
arqueóloga britânica Kathleen
Kenyon.


    

De acordo com a Bíblia, a casa de Raave (a prostituta que abrigou os espiões enviados por Josué) ficava incorporada numa das muralhas - Josué 2:15 “E ela os fez descer por uma corda pela janela, porque a casa ficava na parede de uma muralha, e na muralha ela habitava..
    
Reconstituição da ala norte da fortificação de Jericó, segundo escavações que decorreram entre 1907-1909, efetuadas por uma equipe alemã.











James Tissot,

A prostituta e os

dois

espiões




A CONQUISTA DE JERICÓ
James Tissot, A conquista de Jericó

     A conquista de Jericó, narrada no Livro de Josué, é um dos episódios mais extraordinários da história da humanidade.


     Josué, escolhido por Deus como sucessor de Moisés, nas vésperas da conquista da cidade inexpugnável, teve uma visão: apareceu-lhe um homem empunhando uma espada – E Josué perguntou-lhe: «És por nós, ou pelos nossos adversários?» - e ele disse: «Não, mas venho agora como comandante do Exército do Eterno.» (Josué 5:13-15). Com esta visão, Josué entendeu que havia um exército invisível que lutaria com os israelitas, e assim, se eles permanecessem firmes na direção de Deus, seriam vitoriosos.


James Tissot, As sete trombetas de Jericó

E o povo gritou, quando os sacerdotes tocaram os Shofares, e quando o povo ouviu o som do Shofar, o povo deu um grande brado e a muralha caiu abaixo, (Josué 6:20).

     Para os escravos afro-americanos, a queda da muralha de Jericó era uma metáfora para a queda da escravatura, porque também ela parecia indestrutível. Mas como em tudo na vida, há um tempo determinado para cada propósito, e a muralha da escravatura acabou por ruir.
    Terminamos este pequeno artigo, como começámos: com música. Propomos a audição do mesmo espiritual - Joshua Fit the Battle of Jericho – na voz inimitável de Elvis Presley.


Este artigo foi-me oferecido pela minha querida amiga
Sónia Craveiro,
A quem mais uma vez agradeço com carinho.

Obrigada

Beijinhos

Fontes:
Bíblia Hebraica, Profetas, Josué

Nenhum comentário:

Postar um comentário