quarta-feira, 10 de julho de 2013

Richard Weisberg |Parte 1 de 2|






Nascido em Paris em 1958, Richard Weisberg passou a sua juventude em Turbigo, bairro situado nos arredores de Paris. 


Foi através das memórias seu avô paterno, Mordka, que ele conheceu o Schtetl do Pogrom e a vida das pessoas que animaram toda a Europa Oriental.






A morte do seu avô deixou-lhe uma herança; a sua tradição e as memórias de todo o tempo que ele viveu. 


Como uma janela aberta 
Era uma vez…Na rua das Rosiers


Richard começa então a exprimir-se em lona e em papel todas as cenas da vida que ele nunca conheceu, era como se a sua mão fosse guiada pelo passado.


Tocar no fundo da alma


A sua técnica, primeiro a lápis e a carvão continuava a evoluir com a tradução de uma verdade evidente, com toda a sua força e memória. 

As noticias


À esquerda: Benção da nova Lua e à Direita: O Shofar


À esquerda: Shsss! Que desempenho! e à Direita: Yiddish Mama


À esquerda: O Violino que chora e à Direita: A Música




Dada a diversidade de cenas e retratos de vida que ele descreve, o preto e branco já não são suficientes. Richard  aborda então a técnica particular do pastel e posteriormente descobre a pintura a óleo. Os seus tons de sépia ao redor da Terra dão-nos a impressão de sermos transportados para o tempo perdido.
Titulo do quadro: O escultor.



Toda uma vida

Cenas do quotidiano 

O alfaiate


À esquerda: O Joalheiro  e à Direita: O Sapateiro


À esquerda: O Açougueiro  e à Direita: O carregador de água

À esquerda: O Padeiro  e à Direita: O Revendedor

O consultório



À esquerda: Mercado dos livros  e à Direita: A escolha

Estimados leitores, é aqui que eu me começo a perder e ganho consciência de que é provável que não consiga parar de colocar uma, e mais uma e ainda mais outra obra deste pintor e a certeza de que vos vou cansar, mas compreendam eu não sou uma “Blogger à séria”, sou apenas uma aprendiz que ainda não sabe quando deve parar, mas cada uma é mais bela que outra e eu não sei qual delas devo deixar de fora!!!

E foi precisamente neste momento de entusiasmo que decidi dividir este artigo em dois, esta primeira parte que dá a conhecer um pouco o pintor, e nos mostra algumas cenas do quotidiano e uma segunda parte que será dedicada ao quotidiano religioso e mais música.  

Muito obrigada pela vossa paciência, pelo tempo e carinho dispensados. J ZD

Contando uma piada 
(Sim, o humor faz parte da alma judaica) 


 Fontes:

Nenhum comentário:

Postar um comentário