domingo, 9 de novembro de 2014

MISHNÉ TORÁ





A obra magna de Maimónides


Mishné Torá, Introdução, fol. 11v-12, Lisboa, 1472,
British Library, Londres



          Na imagem acima podemos observar a Introdução à Misnhé Torá de Maimónides. Os fólios pertencem a um manuscrito sefardita produzido em Lisboa, no século XV. O fólio 11v (direito) com duas citações do Deuteronómio – 1:5 «Além do Jordão na terra de Moab, começou Moisés a explicação desta Lei», e 4:44 «E esta é a Lei que Moisés pôs diante dos filhos de Israel»; o fólio 12 (esquerdo) com a Introdução propriamente dita.

     Mishné Torá (Repetição da Torá) refere-se normalmente ao nome originalmente usado para o Livro de Devarim (Deuteronómio, o quinto livro do Pentateuco). Também se designa por Mishné Torá o código da Lei Judaica compilado por Maimónides, que conta com centenas de capítulos que descrevem todas as leis mencionadas na Torá. 




Escultura de Moisés ben Maimon, Antiga Judiaria de Córdova



     Moisés ben Maimon (Córdova, 1135-Cairo, 1204), mais conhecido por Maimónides, ou RaMBaM, o acrónimo hebraico para “Rabi Moshe ben Maimon”, foi a figura mais importante do judaísmo andaluz e uma das mais relevantes do judaísmo medieval. As suas obras sobre medicina, direito, teologia e filosofia, a maioria escrita em árabe e traduzida para o hebraico, o latim e outros idiomas, influenciaram tanto o mundo judeu como o não judeu. 




Mishné Torá, Secção dedicada às leis sobre a idolatria (Maimonides, De Idolatria), traduzida para o latim por Dionysius Voss, Amsterdão, 1641, Library of Congress, Washington




     De 1159 a 1164 Maimónides viveu em Fez, Marrocos, onde se refugiou com a família devido às perseguições religiosas dos fundamentalistas Almóadas, que haviam conquistado Córdova. Foi durante este período de cinco anos que realizou grande parte do trabalho para o seu comentário da Mishná. Novamente em fuga para escapar à perseguição religiosa, saiu de Fez, passou pela Terra Santa, estabelecendo-se posteriormente no Cairo, no ano de 1166, onde viveu até ao final da vida. Lá veio a ser Rabino-Mor da comunidade judaica e médico respeitado, chegando a servir como médico pessoal do Grão-Vizir al-Fadil. 




Mishné Torá, Livro do Conhecimento (Sefer Hamadá), Espanha, 1400
Biblioteca Nacional de Israel, Jerusalém




     Maimónides concluiu a Mishné Torá por volta de 1180. A obra é uma síntese magistral dos dois Talmudes (da Babilónia e de Jerusalém). Nela o autor considera todas as opiniões conhecidas até sua à época sobre a Halachá (Lei Judaica). Redigida em língua hebraica, descreve de forma muito clara todos os preceitos da vida judaica e está organizada em catorze livros. Por este motivo também é chamada “Yad Hachazacá” (“A Mão Forte”), sendo que a palavra yad significa “mão” e tem o valor numérico de catorze. 




Mishné Torá, Livro do Amor (Sefer Ahavá), Espanha, 1400




Sefer Ahavá (detalhe)



   O primeiro livro – Livro do Conhecimento (Sefer Hamadá), versa sobre os conhecimentos básicos da Torá, relacionados com a fé judaica. O segundo – Livro do Amor (Sefer Ahavá), é sobre as leis referentes à obrigação de amar D’us. 






Mishné Torá, Livro dos Tempos (Sefer Zemanim),Norte de Itália, 1475,
Biblioteca Apostolica Vaticana, Roma




      As duas iluminuras anteriores pertencem a um Mishné Torá produzido em Itália, entre 1451 e 1475. A segunda faz parte do Livro dos Tempos (Sefer Zemanim), que trata das festividades. À direita, um grupo de convivas celebra a Festa de Purim (estão fantasiados e dançam); à esquerda, celebra-se a Festa das Cabanas (Sukkot).




Mishné Torá, Livro dos Juízes (Sefer Shoftim), Norte de Itália, c. 1457,
Museu de Israel, Jerusalém




    O último livro, Livro dos Juízes (Sefer Shoftim), é sobre os direitos e os deveres dos magistrados, do Sinédrio e dos reis. A iluminura anterior, de um manuscrito em escrita asquenazita, apresenta a palavra Shoftim (Juízes) em letras douradas sobre fundo azul. Por baixo está um homem (o réu), ladeado de dois guardas, de frente para quatro juízes sentados. 



 Mishné Torá de Maimónides. Fólio 434v, cólofon do escriba, Escola de Iluminuras de Lisboa, 1472. Bristish Library, Londres. 




     O Talmude diz-nos que a Torá contém 613 mandamentos (248 positivos e 365 negativos), mas não providencia uma lista dos mesmos. Maimónides, à imagem de outros sábios antes dele, ordenou uma lista completa dos 613 mandamentos, que constam da sua Mishné Torá. Destes, o RaMBaM considerou treze fundamentais: são os “Treze Princípios da Fé Judaica”, hoje aceites por todos os judeus, que estabelecem os principais pontos de afirmação e crença no D’us único e na Sua revelação a Moisés, o profeta. Versões abreviadas dos “Treze Princípios da Fé Judaica” fazem parte da maioria dos livros de oração judaicos.

    Propomos agora a audição de uma melodia sefardita para Yigdal, um hino religioso que partilha com Adon Olam, de Shelomo ibn Gabirol (Málaga, 1020-1059), um lugar de honra no início do ofício da manhã e no final do ofício da noite. Yigdal – D’us é Grande, é baseado nos treze artigos de fé (13 Credos) formulados por Maimónides; os artigos foram versificados pelo juiz Daniel ben Yehudah Dayan, que os elaborou ao longo de oito anos, tendo-os terminado em 1404, na cidade de Roma. 



Avraham Perrera - YİGDAL     





Mishné Torá, Rambam, 1574, Veneza, Chabad Library



     São várias as correntes judaicas que estudam a Mishné Torá, destacando-se as do ramo Chabad que realizam um ciclo anual de estudos da obra.

     Em Tiberíades, o caminho que conduz ao túmulo de Maimónides é ladeado por 14 colunas, 7 de cada lado, onde estão inscritos os 14 capítulos da Mishné Torá.

     Entre os judeus o respeito infundido por Maimónides é tão grande, que sobre o grande pensador circula a máxima: «De Moisés a Moisés não houve outro como Moisés».



Mishné Torá, fol. 11v, barra inferior com dragão (direita), pavão (centro) e leão (esquerda), Lisboa, 1472





E resta-me agradecer mais uma vez por este artigo elaborado na integra por:  

Sónia Craveiro

Muito obrigada J 


Beijinhos






Fontes:

 http://geraladmin.wix.com/gloria#!flores-raras-e-espetaculares/cx1y 
https://www.youtube.com/watch?v=V24JtsMF6pc

Nenhum comentário:

Postar um comentário