sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Cartas de Lisboa | Chayei Sarah




Chayei Sarah


Shacharit


O Tálmude (Berachot 26b) diz-nos, que as três orações diárias, Shacharit, Minchá e Maariv, tiveram a sua origem com os Patriarcas.


O Tálmude liga cada uma das orações a um indivíduo específico. Na nossa Parsha, a Torá descreve o momento em que Rivka chegou para se encontrar com o seu futuro marido Yitschak. "Yitscak saiu para rezar nos campos quase ao chegar da noite." (Bereshit 24:63)



Encontro de Rivca/Isaac


Diz o Tálmude, que esta oração é a oração Mincha que fazemos hoje em dia, quase ao chegar da noite - antes de anoitecer.



Minchá


Dom Abarbanel, no seu comentário sobre a Parsha, aborda uma questão simples:


Por que é que foram escolhidos estes momentos específicos? Não seria qualquer altura boa altura para a oração?

Explica Dom Abarbanel, estes precisos momentos durante o dia foram escolhidos por uma razão.

Num ambiente onde o sol, a lua e as diferentes constelações eram objectos de culto, a família de Avraham queria mostrar ao mundo a falácia dessas crenças.

Ao fazer isso, eles escolheram as alturas do dia em que grandes mudanças ocorrem. O nascer do sol na parte da manhã, ou quando o dia escurece e se torna noite; apresentam extrema mudança e flutuação.



Noite - Maariv


À medida que estes corpos celestiais seguem nas suas orbitas e os seus efeitos sobre a Terra mudam, é essa a altura que os nossos antepassados escolheram para orar; ensinando ao mundo que apesar de que tudo o mais está em movimento, a fé e confiança em D’us essas são constantes.


Shabat Shalom!
Cortesia do Rabbi


Eli Rosenfeld
chabadportugal.com




Pinturas de:

Zvi Raphaeli – “Shacharit”
Gustave Doré – “Encontro com Rivka e Isaac”
Zvi Raphaeli – “Sinagoga”
Vincente Van Gogh – “Céu estrelado”

Nenhum comentário:

Postar um comentário