quinta-feira, 18 de abril de 2013

Primeira Cruzada - Cruzada Popular




Os Lideres da Primeira Cruzada
(Ilustração de Alphonse Marie de Neuville, Sec. XIX)


    (...) Durante 1095 e 1096, Urbano continuou a pregar a cruzada pela França e incentivou os seus bispos e legados a fazerem o mesmo nas suas dioceses da França, Germânia e Itália. O papa ainda tentou proibir algumas pessoas (como mulheres, monges, crianças e os doentes) de participarem na cruzada, mas isto revelou-se impossível. O apelo tivera sido tão forte que a maioria dos que tomaram a cruz não foram os nobres, mas sim o povo pobre e mal preparado para a guerra, e partiram numa expedição que incluía mulheres e crianças, apoiados numa forte fé em D’us e na Salvação das suas almas.



Pedro o Eremita, mostra o caminho de Jerusalém aos cruzados 
(Iluminura francesa de c. 1270)


    Urbano planeou a partida da cruzada para dia 15 de Agosto de 1096, no dia santo da Assunção de Maria. Mas meses antes desta cruzada “oficial”, um vasto número de plebeus e cavaleiros de baixa estirpe organizaram-se e partiram para Jerusalém de forma independente, acabando por se juntarem num contingente liderado pelo carismático monge Pedro o Eremita de Amiens – a Cruzada Popular, também conhecida pela Cruzada dos Mendigos.

    A primeira cruzada também despoletou uma longa tradição de violências organizada contra os judeus, apesar de já há séculos existir antissemitismo na Europa. Primeiro na França e depois no Sacro Império Romano-Germânico, alguns líderes de grupos populares interpretaram que a guerra contra os infiéis podia ser aplicada não só aos muçulmanos, mas também aos judeus que eram vistos por alguns cristãos, como os assassinos de Cristo e estavam presentes na maioria das comunidades europeias.

    Muitos cristãos não viam motivo para viajar milhares de quilómetros para lutar contra os inimigos do cristianismo, quando estes estavam mesmo à porta de suas casas. Grupos pertencentes ao contingente de Pedro o Eremita, ou liderados por outros religiosos como Volkmar e Gottschalk, lançaram-se em perseguições às comunidades judaicas por onde iam passando.


Judeus sendo mortos por cruzados durante a Primeira Cruzada 
(Iluminura de uma Bíblia francesa de 1250)


A maior e mais violenta destas turbas foi liderada pelo Conde Emico de Flonheim. No início do Verão de 1096, cerca de 10 000 cruzados partiram em cruzada, percorrendo o vale do Reno em direcção a norte (na direcção oposta a Jerusalém), e iniciavam-se então uma série de progoms chamados por alguns historiadores de “ O primeiro holocausto”. Mas esta interpretação do ideal da cruzada não foi completamente generalizada, com vários membros do clero cristão, como o arcebispo de Colónia, a conseguir proteger em parte a comunidade judaica da sua cidade contra o linchamento do povo. De Colónia, os seguidores de Emico dirigiram-se para sul. A algumas comunidades era oferecida a escolha da conversão ou da morte.

Muitos judeus recusaram-se à conversão e depois de ouvirem as notícias dos massacres perto de suas casas, cometiam suicídios em massa. Apesar do papado acabar por pregar contra a purga de habitantes muçulmanos e judeus, este cenário iria repetir-se inúmeras vezes durante o período das cruzadas. (...)


Iluminura do massacre dos peregrinos  
da Cruzada Popular



Fontes:


Nenhum comentário:

Postar um comentário