quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Pequena amostra do grande legado de Sefarad!




Capitel bilingue


Com a invasão islâmica, que começou em 711, o judaísmo em Espanha começa uma das páginas de ouro da Sefarad pelo grande desenvolvimento alcançado no campo da política e da cultura. Testemunhando o nascimento de importantes bairros judeus como Lucena, Córdoba, Valência, Toledo, Sevilha, etc. Como cristãos, foram considerados "pessoas do livro" ou dhimmis, pelo que a sua situação religiosa era permitida e protegida em al-Andalus. Logicamente sofreu muitas limitações que são continuamente repetidas na legislação, apesar de tudo, a sua condição dependia fortemente dos governantes.


Mapa Mundo de Cresques Abraham do Sec. XIV


Em qualquer caso, as sinagogas não podiam ser construídas à vontade, e nem poderiam estar próximas dos edifícios circundantes. Em numerosas ocasiões leis promulgadas requerem uma “capa” especial para ser facilmente distinguidas, os judeus não podiam ocupar cargos públicos, deveriam recitar as suas orações em silêncio e nem poderiam andar a cavalo entre outras proibições.
No que diz respeito as suas ocupações na sociedade andaluza, em muitos casos, chegaram a ocupar posições de grande significado, e alguns foram conselheiros dos governantes, como no caso de Nagrela taifa de Granada. Também foram importantes os médicos, astrónomos, artesãos, contadores ou comerciantes.


Astrónomos discutindo


A chegada dos muçulmanos permitiu a renovação intelectual dos judeus sefarditas. Sua arabização pronta e relações intensas entre todo o Islão, abriu as portas a um mundo enorme e permitiu-lhes participar fortemente nas novas correntes de pensamento, não só aos árabes, mas também aos judeus da Pérsia. Assim começou um período de cerca de dois séculos (X-XII) em que os judeus espanhóis escreveram as páginas mais belas da cultura sefardita e demonstraram o grande desenvolvimento alcançado em teologia, filosofia, gramática, poesia, medicina, etc.


Ver mais em:

http://cvc.cervantes.es/artes/sefarad/sefardita/introduccion.htm



Nenhum comentário:

Postar um comentário