sábado, 9 de fevereiro de 2013

Artista Brian Shapiro - Quotidiano e Natureza




Brian Shapiro nasceu em 1942, em Rochester, Nova Iorque. Ele começou a sua formação de arte aos oito anos , na Galeria de Arte do Memorial Rochester. Em 1960, ele ganhou uma bolsa de estudos de arte para o Instituto de Tecnologia de Rochester, onde recebeu o grau AAS. Em 1962, ele foi premiado com uma bolsa de estudos para o Instituto de Arte de Chicago , onde em 1964  se graduou com honras, ganhando um BFA, na escultura seguido por um mestrado em pintura em 1967. Shapiro ensinou durante vários anos antes de se mudar para a zona rural de Wisconsin, onde pintou paisagens e a vida agrícola, bem como a concepção e construção de quatro casas. Shapiro Em 1980 mudou-se para Hollywood, onde criou mais de 200 pinturas que retrata o dia a dia dos actores e esta obras foram exibidas pela Smithsonian Institution , em museus nos Estados Unidos, e por pelo Departamento de Estado na Europa. Ele foi a primeira pessoa a ter uma exposição individual de pintura na Academia de Cinema. Em Santa Barbara, Califórnia, e Rochester, Nova Iorque, ele foi contratado por mais de 200 empresas para criar "no trabalho" desenhos e pinturas. Em 1993, ele começou uma série de pinturas com foco em Israel (que exibiu através do Consulado de Israel) e sobre o Renascimento Judaico Americano. Em 2002, ele começou uma nova série de pinturas em Nova Iorque.







Em "Enquadrar o evento," as pessoas estão em primeiro plano e estão em movimento e de repente o artista vai transformar estes momentos em quadros, muitos dos quais estão expostos. Embora autobiográfico, a pintura representa, de uma forma única, o que é que os artistas fazem.








Depois de completar 15 telas, a primavera chegou, estava eu a começar a sentir que estava a fazer progressos a descrever a terra e decidi consolidar o meu desenvolvimento e fui visitar várias exposições de outros pintores do Rio Hudson. Continuo a seguir o conselho de Cézanne para ir aos museus e estudar a natureza. Fui a Catskill, Nova Iorque, e depois demorei uma hora e meia até o vale do Hudson para fazer a pé, o passeio dos pintores do Rio Hudson. Este rio não mudou muito em 150 anos graças aos esforços de conservação. Era isto que eu procurava como tema para transmitir emoção. 









Para chegar a estas vistas proeminentes, usadas por tantos artistas, tem que se caminhar até uma montanha cerca de uma hora. O terreno é muito acidentado; pedras irregulares e raízes fazem desta caminhada algo difícil. Eu tive literalmente que ver cada passo que dava para não partir um tornozelo. Botas de caminhada, com o apoio do tornozelo são essenciais. Há alguns declives que descem até um quarto de milha. O trilho é marcado com marcadores azuis, mas eles não estão em todas as árvores, por isso temos que olhar para a frente ou corremos o risco de sair do trilho, uma coisa definitivamente a evitar. Assim, com os poucos marcadores, com o ar muito frio e o vento sempre contra mim, lá cheguei ao topo da montanha e depois de mais um pouco de caminhada, já consigo avistar o meu carro. É uma sensação emocionante. Este passeio serviu-me para uma meditação e para limpar a cabeça, e está disponível para todos que gostem de caminhar, e para aqueles que não conseguem chegar a este lugar, há o veículo de minha pintura.




" Numa empresa baseada numa cultura de equipa, a coesão criada por Brian Shapiro que retratou a nossa empresa durante as nossas horas de trabalho, trouxe-lhe mais vida, personalidade e energia, é como se fossem fotos."  
Chris McVicker, Presidente / CEO The Flanders Group Inc. Rochester, NY








Fonte:
http://www.brianshapiroart.com/miscgallery.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário