quinta-feira, 12 de março de 2015

Cartas de Lisboa | Vayakhel - Pekudei




Vayakhel – Pekudei



A última Parsha do livro de Shemot, tem o nome de Pekudei. O seu verso de abertura começa com uma enumeração dos materiais utilizados na construção do Mishcan, o Tabernáculo.


"Estes são os números do Tabernáculo, o Tabernáculo do Testemunho, que foram contados por ordem de Moisés." (Shemot 38:21)


A repetição no verso da palavra "Tabernáculo", com esta palavra a aparecer por duas vezes em sucessão imediata, chama a atenção de muitos dos comentaristas da Torá.



O Midrash diz-nos que a palavra "Tabernáculo", tem a mesma estrutura da palavra "Mashcon", a palavra hebraica para um objeto dado como garantia financeira.

Na lei judaica, um "Mashcon" é oferecido como garantia em contratos de empréstimo. Se a obrigação de empréstimo ficar por cumprir, o "Mashcon" pode, posteriormente ser apreendido.

Diz o Midrash, o duplo uso da palavra Tabernáculo aqui é uma alusão a dois objetos figurativos de “Mashcon" - os dois templos "Batei Hamikdash" em Jerusalém.





Eles foram concluídos como as iterações seguintes do Mishcan da nossa Parsha, e ambos foram eventualmente destruídos. Diz o Midrash, que a sua destruição foi devida em parte às obrigações não satisfeitas do povo judeu no seu "acordo" com D-us.

O Rebe, numa análise sobre Rashi (que também cita esta Midrash) questiona a premissa desta associação. O contexto, diz-nos o Rebe, é muito importante quando se tenta tirar uma lição da Torá.


A nossa Parsha descreve os acontecimentos que levaram à inauguração do Tabernáculo! Por que é que a Torá aludiria neste momento a um tempo de destruição?


Explica o Rebe, que o comentário do Midrash e a associação com a palavra "Mashcon" - garantia, nos ensina algo muito poderoso.

O Tabernáculo, e depois o "Beit Hamikdash", foram construídos como testemunho da presença de Deus no nosso mundo. Embora, destruídos fisicamente, o efeito e a inspiração que eles nos ofereceram continua a existir.



É por isso, diz o Rebe, que a analogia com garantia “Mashkon" não se refere à destruição e ao desespero associado, mas sim à ligação com encorajamento e força.


Assim como um objeto dado como garantia não é destruído, mas permanece em existência, pronto para ser devolvido no momento apropriado, assim também, se passa com o Tabernáculo e o Beit Hamikdash. Eles estão constantemente connosco à espera de nos serem devolvidos.


Shabat Shalom!
Cortesia do Rabino


Eli Rosenfeld
chabadportugal.com


Fontes das imagens:


Nenhum comentário:

Postar um comentário