sexta-feira, 9 de maio de 2014

Cartas de Lisboa | BEHAR



Pirkei Avot Capítulo 3


O estudo de Pirquei Avot continua esta semana, altura em que lemos o terceiro capítulo.


Um dos seus ensinamentos mais crípticos encontra-se no Mishná 7, apresentado em nome do Rabi Elazar de Bartosa,

"Dêem-lhe o que Lhe pertence, já que todos vós e tudo o que vos pertence, a Ele Lhe pertence.”


Ainda que seja claro que  estamos a falar de D-us, a que está o Rabi Elazar  a referir-se? O que é que D-us nos deu, especificamente? E o que é  suposto nós darmos a D-us?

A explicação convencional é a de que o Rabi Elazar se está a referir a Tzedacá.


Compreendendo que as nossas possessões vêm em última análise de D-us,  dar Tzedacá é uma conclusão absolutamente lógica.


Dom Abarbanel, contudo, não se dá por satisfeito com esta interpretação. Obviamente que os nossos bens materiais vêm de D-us, mas Tzedacá damos a pessoas que dela precisam.




Assim sendo, como se pode compreender as palavras “Dêem-lhe o que Lhe pertence”, frase na qual o recipiente é D-us?

De acordo com Dom Abarbanel, o tópico deste ensinamento é a Torá. Nesta perspectiva as palavras de Rabi Elazar têm uma ressonância magnífica, “todos vós e tudo o que vos pertence, a Ele Lhe pertence.”

A Torá é uma dádiva recebida de D-us e um dos sentimentos de satisfação mais significativos que se pode ter, é o de saber que algo que se oferece  é apreciado e usado.




Neste sentido, somos encorajados a “dar-Lhe o que Lhe pertence” – estudar a Torá e dar-Lhe tal satisfação "dar-Lhe o que Lhe pertence”. Já que “todos vós e tudo o que vos pertence, a Ele Lhe pertence.” – a Torá é uma dádiva eterna de D-us ao Seu povo.


Shabat Shalom!
Cortesia do Rabino


Eli Rosenfeld
chabadportugal.com


Pinturas de:

1ª: Boris Dubrov; 2ª: Richard Weisberg; 3ª: Edward Farber; 4ª: Alex Levin

Nenhum comentário:

Postar um comentário