sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Cartas de Lisboa | Shemot


Shemot


O segundo livro da Torá é chamado Shemot, o que significa Nomes. Este título é derivado do início de nossa Parsha, que lista os nomes dos doze filhos de Israel.


"E estes são os nomes dos filhos de Israel... Reuben, Shimon..." O verso, em seguida, continua, "Agora Joseph morreu, assim como OS seus irmãos e toda aquela geração." (Shemot 1: 1-6)



Muitos comentaristas da Torá manifestam-se intrigados com a necessidade de apresentar esta lista.



Por que é que a Torá considera necessário, mais uma vez, listar e nomear todos os doze filhos? A mesma lista já foi apresentada anteriormente no fim do Livro de Bereshit.

O Rabino Abraão Sabá, no seu comentário o Tzror Hamor, aborda estas questões com uma profunda introspecção.

Embora, José e seus irmãos já tenham falecido, eles ainda continuaram a existir. A sua influência e a sua presença permanecem.


 
A analogia que ele dá, é a das estrelas. Enquanto nós as vemos brilhando à noite, durante o dia, não podemos vê-las. No entanto, sabemos que elas continuam a existir.




Diz, o Rabino Sabá, quando os indivíduos que influenciaram positivamente muitos outros desaparecem desta vida, o que falta é a nossa capacidade física para vê-los.

Um versículo do livro de Daniel afirma esta muito bonita ideia; "Aqueles que trazem muitos para a justiça (são) como as estrelas sempre e eternamente presentes." (12: 3)

É por isso que José e os seus irmãos foram novamente mencionados; porque apesar de já terem partido fisicamente, a sua presença continuava a ser muito sentida entre o povo judeu.




Shabat Shalom!
Cortesia do Rabino


Eli Rosenfeld
chabadportugal.com



Fontes:
Pintura de Ernest Descals
Pintura de Vincent Van Gogh

Nenhum comentário:

Postar um comentário