quarta-feira, 6 de março de 2013

Sefarad e os judeus de Espanha





As origens da presença de judeus na Península Ibérica são francamente incertas. As próprias elites hebraicas que se ocuparam de elaborar várias mitologias genealógicas sobre este povo e acabaram por se afastar da crucificação de Jesus, como o estigma que os acompanhou durante toda a Idade Média na Europa.


No início da Idade Média, a população judaica da Espanha alegou descendência daqueles que chegaram à Península Ibérica antes da destruição do Segundo Templo, em 70 d.e.c. Aqueles que tinham essa opinião alegavam que os judeus chegaram pela primeira vez antes da destruição do templo pelo rei babilónico Nabucodonosor em 583 a.e.c. Outros que afirmavam que descendiam de estripes judaicas e que vieram para a Espanha no tempo do rei Salomão, com quem até então eram seus aliados, os fenícios.



Os judeus e o reino hispano-visigótico


Quando os visigodos se estabeleceram definitivamente em Espanha, as principais comunidades judaicas foram localizadas em Tarragona, Tortosa, Sagunto, Elche, Córdoba e Mérida. A comunidade judaica de Toledo iria crescer em importância e aumentando de tamanho, uma vez que a cidade se tornou a capital do reino visigótico, a meio do século VI.


A convivência corria sem grandes sobressaltos até à celebração do III concílio de Toledo, em 589, onde os judeus começam a ser vistos como uma ameaça à unidade religiosa do reino, como seria nove séculos mais tarde. É a partir de agora, que se iriam desencadear as leis anti-semitas, directamente inspiradas pelo Conselho ou radicalizadas.

A comunidade judaica e Al-Andalus

Não é de excluir que os anos de políticas anti-judaicas continuam a levar as comunidades judaicas a apoiar directamente os invasores muçulmanos oriundos do norte da África no ano 711. Historiadores ocidentais e muçulmanos têm destacado esta colaboração e consideram-na suficientemente provada.


O que se tentou assegurar neste consenso, foram precisamente os maiores centros populacionais da confissão judaica que se mostraram como os colaboradores mais activos. O esforço transgressor não foi em vão, as comunidades gozaram de alguma protecção das primeiras autoridades muçulmanas e como resultado, viram a sua participação crescer assim como a sua posição social e económica e mesmo aqueles que foram convertidos à força ao cristianismo, puderam retornar ao Judaísmo. No entanto, nunca existiu uma total liberdade uma vez que seriam sempre considerados súbditos de segunda categoria até que se convertessem ao Islão. A partir do ano 716, com o estabelecimento do Califado Omíada, alguns judeus, começaram então a trabalhar de perto com as autoridades andaluzas. A estrela dos judeus começou a desaparecer quando eles começaram a estar directamente envolvidos nas guerras civis dos reinos de Taifa que sangraram Al-Andalus a partir do ano 1031.


A presença de comunidades judaicas nos reinos cristãos do norte peninsular que iniciaram a reconquista das terras muçulmanas de Al-Andalus, é praticamente esquecida nas fontes que são conservadas entre os séculos VIII e IX. Só na marca hispânica se encontram mais testemunhos, talvez porque era um território que fazia parte do Império Carolíngio e a concessão política de coesão social, permitiu um aumento nos testemunhos escritos que falam da importância da comunidade judaica situada em Montjuic. São igualmente, pouco conhecidos outros testemunhos escritos semelhantes e o que se deduz através dos mesmos, as comunidades judaicas foram totalmente engajados nos vários reinos cristãos e o seu quadro legal foi definido em concreto, no caso de Barcelona, por exemplo, que assinalavam os privilégios estabelecidos pelos condes de Barcelona e Usatges.

Entre a aceitação e a desconfiança

Entre os séculos XII e XIII, os judeus foram aceites e bem recebidos, devido à necessidade de repovoar os territórios conquistados aos muçulmanos. Salvo alguns problemas isolados e muito locais, com a expansão militar e política do cristianismo, a convivência com outras religiões foi facilitada nestes territórios. Alguns cronistas da época, como Ramon Llull, testemunham isso mesmo. No entanto, o fundo anti judeu carrega com eles numerosas fontes cristãs ainda em vigor, alimentando um sentimento latente de rejeição que cresce a partir do século XIII.


Podemos assumir que os judeus nunca foram totalmente integrados, apesar de amplamente tolerados. As graves dificuldades económicas seriam o gatilho para uma explosão anti-judaica em acção convergente dos estratos populares e das elites dominantes. E com esta perseguição, todos ganhavam: primeiro encontravam um bode expiatório e diziam que os judeus eram responsáveis pelas suas dificuldades, usando argumentos religiosos, enquanto o utilitário poderoso observava a diabolização dos judeus como um recurso para desviar a atenção da ira da população de seu próprio povo.

A política de aceitação e protecção que os judeus da Península Ibérica tinham desfrutado, sob a liderança de D. Pedro I, foi destruída pela guerra civil travada pelo monarca contra Henrique II e os nobres rebeldes que o apoiaram. A propaganda anti-judaica, que vinha crescendo ao longo do século XIII e primeira metade do XIV, mostrava agora os seus efeitos em toda a sua crueza. A propaganda do filho bastardo de Henrique II-Peter nunca foi um segredo, e, após a vitória dos rebeldes, os Tribunais e as classes populares lançaram-se em conjunto contra os judeus.



De 1366-1369, a comunidade judaica experimentou seus piores anos, em que, as confiscações foram apensadas ​​por sanções económicas, pilhagem de comunidades judaicas e a morte de seus habitantes, aproveitando-se da confusão semeada pela guerra civil. (…)


(Autor do texto deste artigo e colaborador de ARTEGUIAS:
José Joaquín Pi Yagüe )



Fontes:

Ver restante artigo em: http://www.arteguias.com/sefarad.htm


https://www.youtube.com/watch?v=K6nhPr9SEmU

Nenhum comentário:

Postar um comentário