sábado, 25 de abril de 2015

Cartas de Lisboa | Pirkei Avot 2



Tazria - Metzora


Serigrafia de Ellen Holtzblatt



Os ensinamentos judaicos fazem frequentemente uso do "mashal," ou parábola, para transmitir ideias e conceitos profundos em termos facilmente acessíveis.


Pirkei Avot 2
 


No Capítulo 2 de Pirkei Avot deparamo-nos com um "mashal" nas palavras do Rabino Tarfon: "O dia é curto, o trabalho é muito, os trabalhadores são preguiçosos, a recompensa é grande, e o Mestre é insistente." (Avot 2:15)




No entanto, o Rabino Tarfon não nos especifica a mensagem da parábola, deixando isso para os alunos e comentaristas futuros.

O Rabino Yosef Chayon, no seu comentário chamado "Mili d'Avot", explica esta Mishná de uma forma muito bonita.



Para chegar à essência da ideia, em primeiro lugar, diz ele, temos de nos concentrar sobre o "mashal", a própria parábola.



"O dia é curto, o trabalho é muito, os trabalhadores são preguiçosos."



Para um empresário que se encontra inundado com uma quantidade enorme de trabalho, também o tempo é curto. Há uma data limite firmemente estabelecida, e o único caminho a seguir é o de encontrar ajuda. O problema é que só estão disponíveis trabalhadores preguiçosos.

Explica o Rabino Chayon, que é especificamente a combinação de todos estes três elementos, que criam este desafio único.

Sem problemas de tempo, mesmo uma grande carga de trabalho pode, eventualmente, ser terminada por trabalhadores menos diligentes. Uma tarefa menor também pode ser concluída a tempo com pessoas que pouco motivados. Um grupo altamente eficiente pode também ser capaz de lidar com um elevado volume de trabalho num curto período de tempo.

É a combinação de todos os três aspetos, que faz com que este seja i, desafio muito difícil.



O que poderá o empresário fazer? Ele tentará fazer a única coisa possível, ou seja, motivar os seus trabalhadores.

Oferece uma remuneração atraente, e torna-se um participante direto e ativo, incentivando e ajudando os seus trabalhadores.


"A recompensa é grande, e o Mestre é insistente."



Enquadrada desta forma, a mensagem desta parábola torna-se muito clara. "O dia curto" reflete a quantidade limitada de tempo que D-us dá a cada pessoa neste mundo.

A limitação do tempo não é espúria. Ela permite que o nosso trabalho seja feito dentro das leis da natureza estabelecidas por D-us trazendo assim significado e importância para as nossas realizações.

"O trabalho é grande", refere-se à Torá, e às inúmeras lições que se podem derivar dos seus ensinamentos. A "preguiça" é, claro, a nossa inclinação natural para fazer o que é fácil e conveniente.




Este é o contexto em que precisamos de colocar a nossa energia e esforço. Para nos ajudar a focalizar as coisas, a "recompensa" é a ligação que criamos com D-us, cumprindo e fazendo o que ele nos pede.


Além disso, é preciso lembrar que não estamos sozinhos, D-us está sempre connosco, sempre nos incentivando e orientando.




Cortesia do Rabino
Eli Rosenfeld

chabadportugal.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário